Suco de uva Ades na PB teria provocado queimadura

Um casal denunciou à polícia que o filho de sete anos sofreu lesões na boca após consumir o suco de uva Ades, em João Pessoa. O caso foi registrado na segunda-feira (18) na Delegacia Distrital de Mangabeira, segundo informou o delegado titular Nélio Carneiro.

JANAÍNA ARAÚJO, Agência Estado

19 de março de 2013 | 17h53

O produto foi comprado numa rede de supermercados em Cabedelo, na região Metropolitana da capital paraibana. Segundo o delegado Nélio Carneiro, a criança foi encaminhada para exame no Instituto de Polícia Científica (IPC) de João Pessoa. O menino mora no bairro Jardim Luna, na capital.

O casal, no entanto, ainda não havia comparecido para fazer o exame de corpo delito até as 17 horas desta terça-feira para confirmar possíveis lesões ou ''queimaduras'' por processo alérgico causado por corantes, disse o diretor do IPC, Humberto Pontes.

O gerente de Vigilância Sanitária da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), Alberto José dos Santos, afirmou que está seguindo orientação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e os produtos estão sendo recolhidos, mas alerta a população para que não entre em pânico. "É importante observar no produto Ades se o lote foi produzido na Usina Pouso Alegre (MG), em 25 de fevereiro deste ano, quando houve contaminação por solução de limpeza durante processo de higienização Já sabemos que os lotes foram destinados para São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná. Mesmo assim não existe garantia de que o lote não chegou por aqui", explica Santos.

Para testar o produto, o consumidor deve encaminhá-lo com lacre fechado para Vigilância Sanitária. A Anvisa recomenda entrar em contato com o SAC (0800/707/0044), das 8 horas às 20 horas, ou sac@ades.com.br. A fabricação, a distribuição, a comercialização e o consumo de lotes de produtos TBA3G da marca Ades da fábrica da Unilever, em Pouso Alegre (MG), estão suspensos desde o dia 18.

Tudo o que sabemos sobre:
ADESSUSPENSÃOANVISAqueimaduraPB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.