Taiwan quer acordo de paz com a China dentro de dez anos

Taiwan cogita assinar um acordo de paz com a China dentro de dez anos, desde que o povo taiwanês concorde e haja suficiente confiança mútua, disse o presidente Ma Ying-jeou nesta segunda-feira.

REUTERS

17 de outubro de 2011 | 11h11

Taiwan e China se separaram em 1949, quando nacionalistas chineses se refugiaram na ilha, fugindo da revolução comunista. A China ainda hoje considera Taiwan como uma "província rebelde," e não descarta o uso da força para recuperá-la.

Houve uma reaproximação depois da posse de Ma, em 2008, mas ainda há tensões militares, e o presidente taiwanês, candidato à reeleição em janeiro, sofre pressão para adotar uma posição mais rígida frente a Pequim.

"Sob as condições de um alto nível de consenso entre o povo de Taiwan e de suficiente confiança entre os dois lados, consideraríamos um tratado de paz com a China dentro de dez anos", disse Ma a jornalistas.

O governo diz que a atual aproximação com a China continental é economicamente benéfica e contribui para a paz. Já a oposição afirma que essa política dá influência demais a Pequim e seria o primeiro passo para uma reunificação.

Na semana passada, durante as celebrações do centenário da rebelião que derrubou o regime imperial chinês, o governo chinês alertou Taiwan a não declarar oficialmente a independência e defendeu a "reunificação por meios pacíficos".

Ma por sua vez pediu à China que adote a democracia e a liberdade, e "encare a existência" de Taiwan.

Mais conteúdo sobre:
TAIWANCHINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.