Técnica reaproveita sangue perdido em operações

Pesquisadores escoceses desenvolvem máquina e bolsa de plástico que facilitam processo de reaproveitamento.

Ken Macdonald, BBC

21 de agosto de 2012 | 13h09

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Strathclyde, na Escócia, desenvolveu um mecanismo para reaproveitar o sangue perdido pelo paciente durante cirurgias.

A recuperação e reaproveitamento do sangue de um paciente perdido durante uma grande cirurgia não é uma ideia nova, no entanto, o processo atual é complicado, demorado e caro.

O novo procedimento, batizado de Hemosep pelos cientistas de Glasgow, é mais direto e pode ser menos trabalhoso para reciclar o sangue do paciente durante a cirurgia.

Este procedimento envolve uma máquina que agita o sangue. Mas, o elemento mais importante é uma bolsa de plástico especial para receber este sangue.

Esta bolsa funciona como uma esponja química que absorve o plasma que diluiu o sangue do paciente durante a operação. Este plasma é algo que os médicos não querem.

O componente mais importante desta bolsa é uma membrana de policarbonato, que separa o plasma e preserva os componentes importantes do sangue em separado.

Estas células concentradas podem voltar para o paciente.

O bioengenheiro que liderou a equipe de cientistas, Terry Gourlay, afirma que o novo procedimento tem vários benefícios.

"É o seu sangue, ao invés de sangue de outras fontes", afirmou o cientista à BBC.

Testes

O novo sistema criado pelos cientistas escoceses já foi usado em testes bem-sucedidos na Turquia, onde foi usado em mais de cem cirurgias cardíacas.

Agora, o sistema será vendido na União Europeia em uma parceria entre a Universidade Strathclyde e uma companhia de aparelhos médicos. O uso do sistema também foi aprovado no Canadá.

Em cirurgias grandes, como uma cirurgia cardíaca realizada com o peito do paciente aberto, a quantidade de sangue perdida é grande e é necessário muito sangue para reposição.

A transfusão de sangue geralmente é a opção preferida pelos médicos mas, em uma minoria de casos, podem ocorrer reações adversas. E o custo de tudo isto é alto.

"Sangue não é de graça, de forma nenhuma, e, na verdade, na América do norte, os últimos estudos sugerem que uma unidade de sangue custa acima de US$ 1.600 (mais de R$ 3.200)", afirmou o professor Terry Gourlay. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.