Tutty Humor

O Brasil tem mais segredos que Fátima?

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

18 Junho 2011 | 23h58

Defender "sigilo eterno" no Brasil justo na semana em que grupos de hackers invadiram os arquivos do FMI, da CIA e do Senado dos EUA, francamente, o governo Dilma Rousseff está atraindo a curiosidade de quem não deve. A pretensão do segredo de Estado em plena era WikiLeaks é, ao contrário do que se almeja, um estímulo à democratização da informação. Só vaza o que se quer esconder! A ciberpirataria é, como se sabe, uma atividade movida pelo inexpugnável.

Quanto maior a defesa de um segredo, melhor o desafio para quem se propõe a violá-lo. Com Sarney e Collor tentando fazer paredinha pra ninguém ver, aí mesmo que dá vontade de, como diz o big brother Pedro Bial, "dar aquela espiadinha". Se abrir uma fresta - pronto! -, o segredo vira o que Leon Eliachar definia como "isso que vai rolando de ouvido em ouvido e volta sempre com mais detalhes".

O melhor para quem tem algo a esconder hoje em dia é deixar tudo escancarado, sob a égide da "transparência", conceito que, tanto quanto a democracia, não comporta ressalvas insuspeitas. Quem é contra tem algo a ocultar - não à toa, quem tem algo a esconder nunca é contra. A defesa do segredo não é artimanha de bandido, é coisa de louco!

Vinícius de Moraes foi quem melhor definiu a insustentabilidade do sigilo: "Que seja eterno enquanto dure!" Taí a Nossa Senhora de Fátima que não deixa o poeta mentir. Há pouco tempo, quebraram o Terceiro Segredo dela, e daí? O leitor por acaso lembra o que foi que a santa disse de tão misterioso aos três pastorinhos portugueses em aparição de 1917? Bobagem! Vai ver que os tais documentos ultrassecretos do Brasil não revelam absolutamente nada demais. Como dizem os flanelinhas, "deixa solto"!

Bota-fora do capo

Já está quase tudo pronto para a grande noite do último bunga-bunga em Roma antes da renúncia de Silvio Berlusconi. Amigas do primeiro-ministro italiano superlotam desde o início da semana os salões de depilação da cidade.

Sabe recall?

Vivendo e aprendendo: a nova classe média brasileira precisou tirar passaporte para, enfim, descobrir o que é "recall". Pena que trocar o documento de viagem com defeito seja mais complicado que deixar o carro na oficina.

Substituto à altura

Recuperando-se de uma operação no calcanhar, o Imperador Adriano já está dez quilos acima do peso! Isso quer dizer o seguinte: logo, logo o torcedor do Corinthians não vai mais sentir saudades de Ronaldo Fenômeno.

A fila andou

Primeiro foi o Pimenta Neves, agora quase pegaram o Edmundo, com 15 anos de atraso... Não é nada, não é nada, como diz o Millôr, "a Justiça farda, mas não talha!"

Medida provisória

Quando, afinal, vão abrir ao público os documentos ultrassecretos da transexual Lea T? Daqui a pouco, ela faz a operação de mudança de sexo e o sigilo será eterno. Só se falava disso na São Paulo Fashion Week!

Quase meigo

Quem esteve com FHC depois dos eventos em homenagem aos seus 80 anos garante: o ex-presidente ficou meio apoplético com os elogios que recebeu de Dilma Rousseff. Quem já o conhece há mais tempo, no entanto, garante que ele fica assim sempre que está de ressaca.

Jeitinho de presidenta

Que diabos Tasso Jereissati quis dizer ao se referir a Dilma Rousseff como "alguém com jeitão de presidente"? Homofobia agora é crime! Ou não?

Ô, raça!

A nova classe média brasileira começou a dar calotes no mercado, deixando de honrar suas dívidas. Ou seja, a turma mal saiu da pobreza e já está pegando jeitinho de rico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.