Casa que foi sede de consultoria de Delfim Netto vira novo QG da campanha de Lula ao Planalto

Foto: Luiz Vassallo/Estadão

Anúncio de apoio de Janones ao petista foi primeiro ato no imóvel, que serviu de escritório a ex-ministro e foi alvo de buscas na Lava Jato; investigação foi enviada à Justiça Eleitoral

Por Luiz Vassallo

Continua após a publicidade


A campanha presidencial do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) passou a ter como QG uma casa que pertenceu ao ex-ministro da Fazenda da ditadura militar Delfim Netto, no Pacaembu, zona oeste de São Paulo. Em uma área de 1,4 mil metros quadrados, perto do estádio, a residência foi adquirida pelo ex-ministro do “milagre econômico” em 1988, por 18 milhões de cruzados e foi usada por décadas como o escritório de sua empresa de consultoria.

Continua após a publicidade

O imóvel continua em nome da Capres Participações, que foi aberta por Delfim nos anos 1980. O ex-ministro, no entanto, deixou a sociedade em fevereiro de 2020. Na documentação, consta apenas que Delfim e seu falecido sócio venderam aos novos sócios suas cotas por R$ 680 mil. Não há registro de como foi feita a transação do imóvel dos antigos para os novos sócios nem sobre a área construída.

Hoje, na região – uma das mais caras – , o custo médio do metro quadrado é em média de R$ 9.559,00. Com tijolos e pedras cinzas na fachada e telhado inclinado, o imóvel de dois andares fica no centro de um amplo jardim. Aos 94 anos, Delfim tem morado em seu sítio, em Jundiaí (SP).

Placa com alusão ao escritório do ex-ministro Delfim Netto; PT não informa valor de aluguel do local
Placa com alusão ao escritório do ex-ministro Delfim Netto; PT não informa valor de aluguel do local Foto: Luiz Vassallo/Estadão

Com muros baixos, o imóvel contradiz as preocupações de caciques petistas com a segurança de Lula. Para onde vai, o ex-presidente é acompanhado por seguranças e agentes da Polícia Federal. Além deles, a casa também é protegida por um vira-lata branco de manchas pretas que rosna e late para qualquer um que se aventure a passar perto do portão e das cercas.

O PT afirma que o contrato foi assinado pelo partido “conforme a legislação eleitoral, que prevê esta situação a partir de 20 de julho do ano eleitoral, depois de realizada a convenção partidária”. O partido, no entanto, não informou o valor pago pelo aluguel.

Ex-ministro da Fazenda Delfim Netto; casa foi comprada por ele em 1988
Ex-ministro da Fazenda Delfim Netto; casa foi comprada por ele em 1988 Foto: Hélvio Romero/Estadão

“As condições contratuais foram estabelecidas com a empresa proprietária do imóvel, em condições de mercado e atendendo às finalidades pretendidas pelo locador. Os valores serão informados à Justiça Eleitoral, que os divulgará conforme a lei”, diz a legenda, por meio de nota da assessoria de imprensa. A reportagem não localizou o ex-ministro.

Em dezembro de 2018, a casa chegou a ser alvo de buscas e apreensões na Lava Jato. A operação foi batizada de Buona Fortuna, em referência a uma das empresas do ex-ministro. Os investigadores suspeitaram que Delfim recebia propina por meio de consultorias prestadas por seu sobrinho Apolônio Delfim Netto, que chegou a admitir que recebeu R$ 240 mil por consultorias à Odebrecht em espécie.

O dinheiro teria como origem contratos de empreiteiras para a construção da Usina Belo Monte, no Pará, obra conduzida no governo Dilma Rousseff (PT) e contestada por indígenas e ribeirinhos. Em delação premiada, executivos da Andrade Gutierrez relataram o pagamento de propinas de R$ 15 milhões a Delfim. Uma denúncia chegou a ser oferecida, mas o caso acabou transferido para a Justiça Eleitoral e voltou à estaca zero. Não houve nova acusação do MP, desde então.

O ex-presidente Lula e o deputado André Janones; anúncio de apoio do Avante foi feito no novo QG petista
O ex-presidente Lula e o deputado André Janones; anúncio de apoio do Avante foi feito no novo QG petista Foto: Nelson Almeida/AFP

Estreia

O primeiro evento após a migração de petistas para o novo QG ocorreu nesta quinta-feira, 4, para anunciar a retirada da candidatura do deputado André Janones (Avante), que anunciou apoio ao petista. Compareceram o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) – vice de Lula na chapa – , e caciques petistas como Gleisi Hoffmann e Jaques Wagner. Ex-líder do governo Dilma na Câmara, Cândido Vaccarezza (Avante) também esteve por lá. Inicialmente, não foi reconhecido por seguranças, e aguardou debruçado sobre o portão até que fosse liberado.

De integrante do governo militar signatário do Ato Institucional N. 5 (AI-5), o economista ganhou o papel de conselheiro do ex-presidente Lula durante seu governo e, em meados de 2006, chegou a ser cotado para ser ministro do segundo mandato petista. Nunca aconteceu.

Nos bastidores, o ex-ministro passou a ser tratado no Palácio do Planalto também como interlocutor de Antonio Palocci. Anos depois, o ex-ministro viria a delatar Delfim em seu acordo com a PF.

Durante a pré-campanha, o ex-presidente Lula usou diversos endereços como seu QG. Reuniões com coordenadores e aliados foram frequentemente realizadas em hotéis na zona sul e na Bela Vista, e na sede da Fundação Perseu Abramo, em São Paulo. O petista também recebeu políticos e artistas em sua residência alugada no Alto de Pinheiros. Diferentemente do novo QG, a casa de Lula mal pode ser vista atrás de seus muros altos.


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Publicidade