Ex-ministro de Bolsonaro usa manobra de Heimlich e socorre idosa engasgada na Bahia; veja vídeo

Vídeo divulgado pela assessoria de João Roma, que comandou a pasta da Cidadania no governo Jair Bolsonaro, mostra momento em que ex-ministro ajuda senhora em restaurante de luxo em Salvador

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O ex-ministro da Cidadania do governo Jair Bolsonaro e atual presidente regional do PL na Bahia, João Roma, prestou os primeiros socorros a uma idosa que se engasgava no restaurante de luxo Chez Bernard, em Salvador, no último dia 7. No vídeo divulgado pela assessoria dele, Roma aparece realizando a manobra de Heimlich, na qual o socorrista se posiciona atrás da vítima e a abraça ao redor do abdome, apertando-a, de modo a facilitar a expulsão do elemento que causa a obstrução.

De acordo com a assessoria do ex-ministro, a senhora tinha se engasgado com uma espinha de peixe enquanto almoçava na mesa ao lado da do ex-ministro. Depois da ajuda, ela voltou a respirar normalmente. A mulher não foi identificada.

Quem é João Roma

PUBLICIDADE

Roma chegou ao governo do ex-presidente Jair Bolsonaro durante a reforma ministerial de fevereiro de 2021. No Ministério da Cidadania, ele passou a ocupar o posto que era do ex-deputado Onyx Lorenzoni, deslocado à época para a Secretaria Geral da Presidência.

Advogado de formação e empresário, Roma foi chefe de gabinete na prefeitura de Salvador, durante a administração de ACM Neto, então presidente do DEM. Após cinco anos no cargo, se elegeu para o primeiro mandato de deputado federal, em 2018.

Nas eleições de 2022, Roma rompeu com o antigo padrinho político e se aliou a Bolsonaro. O ex-ministro enfrentou ACM Neto na disputa pelo governo da Bahia. O placar final foi mais favorável ao ex-prefeito de Salvador, que obteve 3,3 milhões de votos e foi para o segundo turno, enquanto Roma ficou na terceira posição, com 738 mil votos. Quem venceu o pleito, entretanto, foi o candidato de Luiz Inácio Lula da Silva, Jerônimo Rodrigues.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.