PUBLICIDADE

Pneumonia misteriosa causa 3ª morte na Argentina

Origem da doença ainda é desconhecida, mas hipóteses como covid, gripe e influenza já foram descartadas

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A Argentina registrou nesta quinta-feira, 1º, a terceira morte causada por uma pneumonia bilateral de origem ainda desconhecida. O caso foi registrado na província de Tucumán, noroeste do país, em uma mulher de 70 anos que havia se internado em um hospital privado. As autoridades de saúde investigam agora se a vítima seria a “paciente zero” do surto.

PUBLICIDADE

Até a última quarta-feira, o país havia registrado seis casos da doença. Nesta manhã, outras três infecções foram notificadas pelas autoridades sanitárias. Todos os pacientes foram testados e, segundo o Ministério da Saúde argentino, foram descartadas a covid, a gripe e a influenza como causas.

“Estamos estudando a origem do surto e o vínculo epidemiológico, ainda estamos em processo de investigação”, explicou o ministro Luis Medina Ruiz, em coletiva de imprensa.

A terceira vítima fatal da doença era a única entre os infectados que não pertencia à equipe profissional de saúde no hospital privado Luz Medica, em San Miguel de Tucumán, a aproximadamente 1,3 mil quilômetros de Buenos Aires. O local foi isolado por precaução.

Segundo as autoridades, a idosa “tinha sido operada por um problema na vesícula e novamente operada outras duas vezes”. “A partir daí teve um quadro de infecção pulmonar que coincide com a data de aparecimento (dos sintomas) dos outros doentes”, disse o ministro.

“Não está muito claro qual foi o início porque tudo aconteceu por volta de 20 de agosto. Entendemos que é a paciente zero, mas isso está em estudo”, acrescentou Medina Ruiz.

Equipe do Ministério da Saúde da Argentina em reunião nesta quinta-feira, 1, para discutir os casos da pneumonia bilateral de origem desconhecida que foram registrados no país desde o final de agosto Foto: Tucuman Province Health Ministry / AFP

As amostras dos seis primeiros casos estão sendo investigadas pelo laboratório do Instituto Malbrán, referência no país.

Publicidade

Os três novos casos relatados foram entre “profissionais de saúde do hospital que começaram com sintomas por volta de 20 e 23 de agosto, portanto, em princípio, correspondem ao mesmo surto e ao mesmo local de infecção”, disse Medina Ruiz.

Os outros seis pacientes começaram a apresentar sintomas por volta das mesmas datas, entre os dias 18 e 22 de agosto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.