PUBLICIDADE

10 razões para viajar slow

Nada de viagens picadinhas, passando cada noite em um lugar. A ordem é curtir sem pressa

PUBLICIDADE

Por Ricardo Freire e
Atualização:

Tudo começou com o slow food, um movimento italiano que prega a calma à mesa, a preservação das tradições na cozinha e a prioridade aos ingredientes regionais. Não demorou para que o conceito se estendesse ao universo das viagens, para combater o equivalente turístico do fast food: o "maraturismo".

 

 

PUBLICIDADE

DOSSIÊ | Escolha sua tapioca FortalezaA tapioca cearense é feita em forma arredondada e é bem mais espessa do que as outras. O recheio mais comum é de queijo, mas dá para comer pura também, como se fosse um bolinho, acompanhada por café. Quem volta da praia do Porto das Dunas (onde está o Beach Park) pode - deve! - dar uma paradinha no Ponto das Tapioqueiras, na CE 040, à altura de Messejana. Peça, e o seu café vai ser passado na hora. NatalDe todos os recheios de tapioca que você pode encontrar, nenhum será mais original do que o preparado nos quiosques do Mercado da Redinha, ao pé da nova ponte sobre o Rio Potengi, na margem oposta a Natal. Ali a tapioca serve para ensanduichar um espetinho de jinga, delicioso peixinho frito. O resíduo da fritura é formidavelmente absorvido pela massa de tapioca, que ganha um sabor surpreendente. Cerveja gelada faz-se necessária. MaceióNa capital alagoana, a tapioca evoluiu para uma espécie de X-tudo melhorado. Os discos de tapioca acomodam recheios volumosos, salgados (presunto e queijo, por exemplo) ou doces (coco, chocolate e banana, por que não?). Dá para dividir fácil. Vai bem com refrigerante.PenedoNa balsa que atravessa o rio São Francisco entre Penedo, em Alagoas, e Neópolis, em Sergipe, meninos vendem uma tapioca molhadinha, embebida em leite de coco e acondicionada entre folhas de bananeira. Para sua sorte, os meninos continuam na balsa durante a travessia. Para seu azar, a tapioca molhadinha costuma acabar rápido.VIAJE NA PERGUNTAEm fevereiro estarei em Roma e quero dar uma esticada a Viena. Qual o melhor transporte? Onde me informo sobre agitos noturnos? Marco, BrasíliaViena está a 1h30 de voo de Roma. Faça dois orçamentos: um, com agente de viagem, incluindo os trechos intraeuropeus na sua passagem transatlântica, e outro comprando esses trechos à parte (com agente ou em sites como kayak.com). De trem são 13 intermináveis horas no noturno. Para fazer programas diferentes e descobrir o que está rolando na cidade, siga as dicas descoladas do site vienna.unlike.net. Perguntas: turista.profissional@grupoestado.com.br

 

CASAL SILVESTRE | Sílvio e Flora Silvestre fazemviagens sustentáveis desde muito antes de saberem o que era isso.

"Eu sei que muita gente vai nos chamar de ecochatos, mas uma coisa que sinceramente não dá para entender é como deixam ter tanto bugue em Fernando de Noronha. Taí um lugar onde deveria haver um transporte público eficiente, complementado por trilhas e ciclovias. Em muitos condomínios sustentáveis, como em Itacaré, é proibida a circulação de veículos particulares. Por que em Noronha todo mundo precisa de transporte individual? E a propósito: de quem foi a ideia de asfaltar o paraíso?"

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.