1. Usuário
Geral
Assine o Estadão
assine

Abertura da Copa teve ameaça de bomba, dizem oficiais

TÂNIA MONTEIRO - Estadão Conteúdo

02 Setembro 2014 | 23h 41

As Associações dos Oficiais de Inteligência (AOFI) e dos Servidores da Agência Brasileira de Inteligência (ASBIN) revelaram a existência de uma ameaça de bomba, no jogo inaugural da Copa do Mundo em 12 de junho de 2014, no Rio de Janeiro, para chamar a atenção dos presidenciáveis para a importância do trabalho de contrainteligência e de contraterrorismo desenvolvido por eles. O episódio, não revelado à época, mas informado agora pelos agentes, está no documento a ser entregue aos três principais presidenciáveis, intitulado "Um projeto para uma inteligência brasileira moderna e cidadã", ao qual o Estado teve acesso.

Os agentes e oficiais de inteligência criticam o fato de a Abin estar "subdimensionada", de "não receber a devida atenção" do atual governo, o que só ocorre "em momentos de crise". Ressaltam também que "a inteligência de Estado dos brasileiros é voltada para o passado". Eles justificam dizendo que "a maior parte dos recursos da Abin são hoje empregados no monitoramento das questões internas do país, legado do Serviço Nacional de Informações (SNI), seu antecessor criado no período de ditadura civil-militar".

Para eles, "cotidianamente, os interesses do povo brasileiro são ameaçados por influências externas que atuam sorrateiramente em detrimento aos objetivos nacionais". Em seguida, o documento enumera eventos que poderiam ter sido um problema para o País, mas foram evitados porque a inteligência foi informada anteriormente e fez seu trabalho de contraespionagem e contraterrorismo. Cita a ameaça de bomba que ocorreu no jogo inaugural da Copa do Mundo 2014 e de outra ameaça de ação terrorista por meio de bomba em hotel onde estava uma das delegações recebidas no Brasil, durante o evento das Nações Unidas Rio+20, em junho de 2012, ambos no Rio de Janeiro. Estes fatos não foram noticiados. No caso da Copa, a única informação que circulou na época foi de ameaça de bomba no Mineirão, desmentida pela Polícia Federal. Os agentes elogiam a ação conjunta da área de inteligência de todos os setores durante a Copa.

"Esses casos evidenciam a necessidade de atuação preventiva da Inteligência de Estado do Brasil, por meio da produção e difusão de conhecimentos, informações e dados que permitam ao governo se antecipar e combater situações adversas, ou impedir que os interesses brasileiros sejam lesados por agentes internacionais", diz o documento de três páginas, que se referia também às espionagens sofridas pela presidente Dilma Rousseff e a chanceler alemã Angela Merkel e à ação da Argentina que, em 2007, proibiu a exportação de trigo para o Brasil, gerando baixa nos estoques brasileiros e ocasionando aumento da inflação pelo preço do pão e massas derivadas do trigo importado pelo País.

Daí a defesa dos servidores da Abin de que a inteligência brasileira olhe para o exterior "a fim de desempenhar com a necessária eficiência seu papel preventivo, tal como fazem todos os serviços análogos nas economias de porte semelhante ao do Brasil".

No texto, os servidores da Abin apresentam cinco sugestões aos presidenciáveis de como a Abin deveria se direcionar e defendem que a Agência passe a exercer "efetivamente funções de Estado", além de deixar de ser vinculada ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI)" que hoje consideram ter interesses apenas militares.

O primeiro ponto defendido é que "a Inteligência de Estado atenderá ao Estado Brasileiro, na forma de seus diversos órgãos da Administração Pública Federal, direta ou indireta, e não exclusivamente da Presidência, de forma a trabalhar necessariamente em defesa da Cidadania e do Estado Democrático". O segundo diz que "a Inteligência de Estado executada pela Abin terá prerrogativa de atuar na defesa do Estado Nacional nos temas de segurança internacional, notadamente na busca de fatos e evidências relacionados a ações de contraterrorismo e de contrainteligência". Eles querem também que a Abin seja "uma autarquia especial, de estrutura flexível, com modernização de sua estrutura e valorização de seu pessoal. O Diretor-Geral será de 2 anos, prorrogáveis por mais dois anos".

#ET

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo