HENRY MILLEO|GAZETA DO POVO
HENRY MILLEO|GAZETA DO POVO

Ministério Público aprova mudanças para leilão de rodovia

Se liberada, concessão de 473 km da Rodovia de Integração do Sul será a primeira do governo de Michel Temer

André Borges, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2018 | 04h00

BRASÍLIA- No que depender do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), o governo Michel Temer terá sinal verde para fazer seu primeiro leilão de rodovias, a concessão da chamada Rodovia de Integração do Sul (RIS), uma rota de 473 quilômetros que integra trechos das BR-101 no Rio Grande do Sul com mais três rodovias federais.

+ Governo muda regra de concessão para evitar fraudes

A recomendação feita pelo procurador do MP Marinus Marsico, em documento ao qual o Estado teve acesso, analisou a minuta do edital da RIS, que aguarda parecer final e voto do TCU. A decisão de Marsico traz um alívio para o governo, depois que os auditores da corte de contas rejeitaram a proposta enviada pelo Palácio do Planalto. A auditoria que reprovava a proposta foi conhecida em 16 de fevereiro.

A análise de Marinus Marsico será agora encaminhada ao relator do processo no TCU, ministro Bruno Dantas, que também vai se debruçar sobre as mudanças apresentadas pelo governo para atender às determinações da área técnica do tribunal. Bruno Dantas não comenta o assunto, mas a previsão é de que o ministro leve o processo à votação na reunião plenária do tribunal no dia 23 deste mês. 

+ Relicitação será regulamentada nos próximos dias

Dificuldades. Os projetos de concessões de rodovia têm encarado grandes dificuldades para serem viabilizados pelo governo. Nesta quinta-feira, 10, reportagem do Estado revelou uma série de mudanças que o governo inclui em seu programa de concessões, com o propósito de tornar os projetos mais seguros contra irregularidades e, principalmente, atender a demandas levantadas pelo TCU.

+ Governo deve enviar projeto de lei para socorrer concessionárias de rodovias

Em seu parecer sobre a concessão da Rodovia de Integração do Sul, Marsico afirmou que esteve reunido em seu gabinete com o secretário de coordenação do Programa de Parcerias e Investimentos, Tarcísio Gomes de Freitas, o qual apresentou as propostas para limitar a inclusão de novas obras, estabelecer exigências para prorrogação contratual e dividir riscos dos projetos.

“Por seu caráter estrutural no âmbito da regulação da concessão, pensamos que as medidas anunciadas constituem um notável avanço, que reduzirão as fragilidades do modelo que havia sido proposto pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres)”, afirma Marsico em seu parecer. 

+ Com a família Bertin entre os sócios, rodovia tenta evitar calote de R$ 1,3 bi

O Ministério Público também reagiu a declarações da ANTT, que afirmou que os auditores do TCU teriam produzido um material que “se assemelharia mais a uma peça de acusação do que a uma análise técnica, pois teria feito uso de uma retórica acusatória e de argumentos especulativos, fundados em premissas não comprovadas”. As afirmações foram rejeitadas pelo procurador, sob o argumento de que a área técnica se limitou a fazer uso da “experiência adquirida com o acompanhamento e a análise das concessões rodoviárias que foram licitadas no passado”.

Ressalvas. Em sua conclusão, o procurador recomenda que o TCU aprove, com ressalvas, o primeiro estágio do acompanhamento da concessão. As ressalvas estão relacionadas à adoção das medidas para inclusão de obras, investimentos e obrigações dos contratos.

Se for realmente destravada, a concessão do RIS será a primeira rodovia a ser leiloada no governo de Michel Temer. O governo federal está sem conceder rodovias desde 2014. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.