Na palma da mão

PUBLICIDADE

Por Fernanda Araújo
1 min de leitura

O bordão 'A magia da Disney está de volta', proferido há tempos nos intervalos do canal de mesmo nome, tem agora uma motivação certeira: Frozen - Uma Aventura Congelante, animação que estreia nesta sexta-feira (3), em 3D.Elsa, a futura rainha, não consegue controlar seus poderes de resfriar tudo por onde passa e, ainda menina, é confinada em um quarto. Anna, sua irmã, se sente desprezada, pois Elsa nunca quer brincar com ela. Com a morte dos pais e já mocinhas, as garotas abrem os portões do reino de Arendelle, provocando uma série de conflitos.Em um desfecho emocionante, o texto dispensa o beijo batido dos príncipes, mas preserva a importância do amor verdadeiro na cumplicidade entre as irmãs - que, quase no fim da história, fazem um dueto musical de arrepiar. Para quebrar o gelo, surge Olaf, um boneco de neve ingênuo que adora verão e abraços quentinhos. Como ele (que tem, na versão dublada, voz de Fábio Porchat) diz: "vale a pena derreter por algumas pessoas". Como toda monarquia fantástica que se preze, também há príncipes, um velhinho topetudo que tenta se casar com a mocinha, reis que recorrem a soluções mágicas e um pobretão que, além de lindo, é honesto. Livremente inspirado no conto 'A Rainha das Neves' (1844), de Hans Christian Andersen, a adaptação representa a batalha de forças entre o bem e o mal, com uma produção técnica de primeira linha. Dirigido por Chris Buck ('Tá Dando Onda', 2007) e por Jennifer Lee ('Detona Ralph', 2012), 'Frozen' descende de 'Enrolados' (2010) em vários sentidos. Tem músicas bem escritas e personagens com os mesmos traços físicos. A semelhança com a animação anterior foi tanta que o casal José e Rapunzel foi incluído em uma das cenas. Eles fazem uma ponta no baile de coroação e, por alguns segundos, ficam cara a cara com Anna. Mickey Mouse, o famoso ratinho da Disney também faz uma breve aparição. Fique atento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.