Governo eleva bloqueio de despesas a R$ 5 bi em 2023 e aumenta projeção de déficit para R$ 177,4 bi

Valor do déficit, porém, é ainda mais elevado se for considerada a metodologia do Banco Central; secretário do Tesouro diz que ‘nada muda’ sobre meta de zerar déficit em 2024

PUBLICIDADE

Foto do author Bianca Lima
Foto do author Fernanda Trisotto
Foto do author Amanda Pupo
Foto do author Eduardo Rodrigues
Por Bianca Lima, Fernanda Trisotto, Amanda Pupo e Eduardo Rodrigues
Atualização:

BRASÍLIA - Os ministérios da Fazenda e do Planejamento anunciaram nesta quarta-feira, 22, um novo bloqueio adicional de R$ 1,1 bilhão em despesas no Orçamento deste ano. Com isso, o contingenciamento de despesas em 2023 para o cumprimento do teto de gastos passou para R$ 5 bilhões. A equipe econômica também ampliou em R$ 36 bilhões a estimativa de rombo nas contas públicas em 2023.

PUBLICIDADE

A previsão de déficit chegou a R$ 177,4 bilhões, o equivalente a 1,7% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo cálculos do Tesouro Nacional. A previsão anterior, de setembro, previa que as despesas superariam as receitas, sem considerar os gastos com juros, em R$ 141,4 bilhões (1,3% do PIB).

O valor do déficit, porém, é ainda mais elevado se for considerada a metodologia do Banco Central (BC), que é a usada para aferir a meta fiscal. Nesse caso, o rombo previsto é de R$ 203,4 bilhões, o equivalente a 1,9% do PIB – apenas R$ 10,2 bilhões abaixo da meta prevista para este ano e quase o dobro do patamar almejado pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddadque chegou a projetar déficit de 1% do PIB.

Fernando Haddad (à direita), é o ministro da Fazenda, enquanto Simone Tebet (à esquerda) é a titular da pasta do Planejamento  Foto: Diogo Zacarias/ME

Divergência

O Banco Central, que é responsável por consolidar o resultado das contas públicas, já havia informado que não consideraria as receitas de exercícios anteriores ou privatizações para o resultado primário (saldo entre receitas e despesas, sem contar os juros da dívida) – é o caso das contas do Pis/Pasep e os recursos oriundos da venda da Copel, que somam R$ 26 bilhões.

“Temos uma divergência técnica. Foram levantados R$ 26 bilhões que foram contabilizados como ‘acima da linha’ pelo Tesouro e o Banco Central entende que seria ‘abaixo da linha’. Não tem efeito prático”, afirmou o secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron.

Segundo ele, a metodologia do BC remonta à época da hiperinflação, quando o governo não tinha condições de calcular as receitas e despesas. “Isso não é o que há de mais moderno”, disse.

Receitas e despesas

Segundo a equipe econômica, a piora no resultado foi puxada por diversos fatores. No caso das receitas, a incerteza em relação a futuros depósitos judiciais da Caixa Econômica Federal e a menor inflação influenciaram o resultado.

Publicidade

“São R$ 12,6 bilhões relativos a depósitos judiciais da Caixa, que podem não ocorrer esse ano. Foi mais prudente retirar do relatório”, disse o secretário de Orçamento Federal do Ministério do Planejamento, Paulo Bijos.

Outros R$ 9 bilhões estão relacionados a tributos federais afetados pela redução da inflação. Do lado das despesas, o aumento foi puxado pelas compensações a Estados e municípios por perdas do ICMS e dos fundos de participação e recomposição do piso da Saúde, que acarretará um aumento de gastos de R$ 4,3 bilhões.

2024

Apesar das surpresas negativas em 2023, o secretário do Tesouro afirmou que “nada muda” sobre o compromisso da equipe de zerar o déficit em 2024. Ele ainda ponderou que alguns dos fatores que pioraram o resultado deste ano irão retirar pressão sobre 2024.

“Aumentei [a pressão] em R$ 20 bilhões para 2023, mas retiro essa pressão em 2024″, ressaltou ele, referindo-se a R$ 9 bi de receita em depósitos judiciais que foi jogada para o ano que vem e R$10 bi da compensação do ICMS, parcela que foi antecipada de 2024 e será paga em 2023.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.