PUBLICIDADE

Publicidade

Ministério libera exportação de produtos da BRF antes de decisão da UE

Mesmo que a UE anuncie sanções, o fim do bloqueio do governo brasileiro pode ter efeitos práticos para a empresa, já que a indústria poderá realizar embarques nos próximos dias

Antes de que a União Europeia (UE) anuncie sua decisão sobre a importação de carne de aves do Brasil, principalmente em relação à produção da BRF, o Ministério da Agricultura derrubou ontem à noite o autoembargo que havia imposto a unidades produtoras desde a Operação Trapaça, deflagrada em março passado.

+ Brasil vai à OMC contra União Europeia por barreiras à importação de frango

Despachoatesta o retorno da produção e certificação sanitária de unidades Foto: Nacho Doce/Reuters

PUBLICIDADE

Um despacho da Pasta atesta o retorno da produção e certificação sanitária das fábricas de Concórdia (SC), Dourados (MS), Serafina Corrêa (RS), Chapecó (SC), Várzea Grande, Ponta Grossa, Rio Verde (GO), Marau (RS) e da SHB Comércio e Indústria de Alimentos, em Francisco Beltrão (PR). 

+ Comissão Europeia vai decidir se retoma importação de aves

Segundo uma fonte, mesmo que a UE anuncie sanções entre hoje e amanhã, o fim do bloqueio do governo brasileiro pode ter efeitos práticos para a empresa, já que a indústria poderá realizar embarques nesses dias. 

Ontem, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse que o Brasil vai recorrer à Organização Mundial do Comércio (OMC) contra a decisão da União Europeia de suspender a compra de carne de frango de frigoríficos brasileiros. Segundo o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, o bloco não acatou os apelos do governo na semana passada e anunciará, entre hoje e amanhã, o descredenciamento de nove unidades da BRF da lista de exportadores. Maior processadora de alimentos do País, a empresa é também a maior exportadora de carne de frango do mercado brasileiro.

+ 'Gostaria de fazer parte da solução', diz Furlan sobre disputa na BRF

Publicidade

Os europeus alegam preocupações sanitárias com base nas investigações da Operação Trapaça, deflagrada em março pela Polícia Federal, e que tinha como alvo a empresa brasileira, dona das marcas Sadia e Perdigão. Ela é acusada de fraudar laudos de controle de salmonela. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.