PUBLICIDADE

Federação Internacional de Atletismo mantém suspensão da Rússia

País está suspenso desde 2015, quando foram revelados sistemas de dopagem institucionalizados

PUBLICIDADE

Por AFP

A Federação Internacional de Atletismo, reunida nesta quarta-feira, decidiu manter a suspensão da Rússia, em vigor desde novembro de 2015, por ter realizado um sistema de dopagem institucionalizado, apesar dos “avanços” realizados.

O congresso da World Athletics, que ocorreu por videoconferência, aprovou a recomendação do 'grupo de trabalho' encarregado de avaliar os progressos da Rússia na luta contra o doping. "A Rusaf (Federação Russa de Atletismo) fez progressos constantes no cumprimento das condições para sua reintegração", reconheceu Rune Andersen, presidente da força-tarefa.

IAAF mantém suspensão da Rússia no atletismo Foto: Eric Gaillard/ Reuters

PUBLICIDADE

A Rusaf implementou desde março um "plano de reintegração", elaborado com a ajuda de três especialistas independentes, que prevê em particular o reconhecimento de atos passados condenáveis, a criação de um departamento antidoping independente, o financiamento de um maior número de detecções testes, sanções para regiões russas cientes de problemas de doping, apoio a denunciantes e maior envolvimento de atletas na gestão de sua disciplina.

Essas mudanças são o reflexo de uma nova cultura dentro do Rusaf”, acrescentou Rune Andersen.“Mas ainda há algumas pessoas no atletismo russo que não abraçaram essa nova cultura e ainda há trabalho pela frente para a Rusaf. A situação da Rusada (Agência Antidoping Russa) continua sendo outra fonte de preocupação."

No final de 2019, a Rusada foi sancionada pela Agência Mundial Antidoping (WADA) por ter adulterado os arquivos informáticos do laboratório antidoping de Moscou, primeiro com quatro anos de exclusão de competições internacionais, depois o Corte Arbitral do Esporte (CAS) reduziu a penalidade em dois anos a partir de dezembro de 2020.

Apesar da suspensão de seu país, os atletas russos podem participar sob uma bandeira neutra e sob estritas condições de respeito às regras antidoping.

O processo de atribuição do status de 'atleta neutro autorizado' (ANA) foi suspenso em novembro de 2019, pois a Federação Russa ajudou o saltador Danyl Lysenko a fornecer documentos falsos para justificar suas falhas em suas obrigações de ser localizado para controles de doping . Ele seria então relançado em março, depois que a Rusaf esboçou seu "plano de reintegração".

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.