PUBLICIDADE

Fintech Ideal recebe investimento de R$ 100 milhões

Aporte foi liderado pelo fundo Kaszek Ventures; com os novos recursos, a empresa mira entrada no varejo

Por Agências
Atualização:

A fintech Ideal anunciou nesta segunda-feira, 21, que recebeu um investimento de R$ 100 milhões, em rodada liderada pelo fundo Kaszek Ventures, que assume uma fatia minoritária na corretora. Fundada em 2019, com foco em investidores institucionais, a Ideal se apresenta como uma das três maiores corretoras do setor no Brasil por volume operado. Com os novos recursos, a empresa mira entrada no varejo.

“Estamos desenvolvendo o projeto para a atuação no varejo e nos manteremos fiéis à nossa essência: oferecer a melhor infraestrutura tecnológica, empoderar o cliente e eliminar o conflito de interesses, alinhando seus ganhos aos do prestador de serviços”, afirmou Nilson Monteiro, presidente executivo da fintech.

A Ideal foi fundada em 2019 com foco em investidores institucionais Foto: Amanda Perobelli/Reuters

PUBLICIDADE

O movimento acontece no momento em que o Brasil experimenta uma expansão inédita de novos investidores pessoa física no mercado acionário, uma vez que a queda do juro básico do país para o piso histórico de 2% ao ano tem incentivado a busca por ativos que ofereçam chance de rentabilidades superiores.

De acordo com dados da B3, o número de investidores ativos no fim de agosto alcançava quase 3 milhões, um crescimento de 1,3 milhão em relação ao final de 2019, mesmo com a queda neste ano de 15% do Ibovespa, principal índice acionário doméstico, na esteira da turbulência causada pela pandemia de covid-19.

Na outra ponta, com a gradual eletronificação das operações de bolsa, corretoras de valores com modelo de negócios mais tradicional têm cedido espaço para rivais mais novas e com estrutura operacional mais leve e preços mais competitivos.

A Ideal afirma que pretende usar no varejo o processo digital que já usa com o segmento institucional, com o objetivo reduzir preços e riscos operacionais.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.