Bill Gates escolhe startup brasileira para desenvolver ‘ChatGPT dos hospitais’

Munai foi selecionada pela Fundação Gates para usar IA generativa na saúde

PUBLICIDADE

Foto do author Guilherme Guerra
Por Guilherme Guerra
Atualização:

Superando uma concorrência de 1,3 mil empresas, a startup brasileira de saúde Munai é uma das 51 empresas de tecnologia selecionadas para o programa de aceleração da Fundação Bill & Melinda Gates, anuncia a empresa nesta quarta-feira, 9. A organização de filantropia, criada pelo fundador da Microsoft e sua então esposa, é dedicada principalmente a financiar iniciativas que combatam a desigualdade e mitiguem as mudanças climáticas.

PUBLICIDADE

Com uma bolsa de US$ 85 mil dada pela fundação, a Munai desenvolve um projeto de inteligência artificial (IA) generativa com base em um Large Language Models (LLM, na sigla em inglês, ou modelo amplo de linguagem) — tecnologia similar ao ChatGPT, popular robô de conversas da OpenAI.

A ideia proposta pela Munai, que vai apresentar o projeto em conferência mundial em outubro, utiliza a IA para criar uma solução equivalente ao “ChatGPT dos hospitais”, pela qual equipes de saúde conseguem conversar com um chatbot, que vai dar respostas para casos clínicos específicos e automatizar protocolos hospitalares. O objetivo é aumentar eficiência e evitar erros em diagnósticos.

Nesse primeiro momento, a Munai deve utilizar o GPT-4 (versão mais moderna do modelo de linguagem criado pela OpenAI), até começar a desenvolver seu próprio LLM — algo raro no ecossistema de startup brasileiro, já que a criação desse tipo de tecnologia envolve alto volume de dados, de capital e de talentos para viabilizar o projeto. Isso deve ser feito com o volume de 15 milhões de dados de 6 milhões de pacientes tirados dos 40 clientes da startup, incluindo os hospitais A. C. Camargo e Hospital de Clínicas, em São Paulo.

Aqui no Brasil, não investimos em ‘deep techs’

Christian Rocha, cofundador e CEO da Munai

“A grande dificuldade para esse tipo de iniciativa no Brasil é que falta investimento, o mercado de capital de risco não investe em deep techs e, além disso, só se investe em startups com faturamento no Brasil, com as métricas validadas”, afirma Christian Rocha, fundador e presidente executivo da Munai. “Aqui no Brasil, não investimos em deep techs. Já investimos em modelos de negócio já validados e onde apenas fazemos a tropicalização desses produtos.”

Se o projeto apresentado cumprir os requisitos da Fundação Bill & Melinda Gates, a Munai deve ir para uma segunda fase do processo, por onde a organização deve aportar outro cheque para acelerar o crescimento da firma — e, aí, um portfólio de clientes internacionais pode se abrir, espera Rocha.

Outros projetos selecionados pela fundação dos Gates também incluem brasileiros da Universidade Federal de Minas Gerais, do Hospital Albert Einstein e de organizações civis como Mapa Do Acolhimento.

Publicidade

Hugo Morales (esq.) e Christian Rocha são os fundadores da startup de inteligência artificial Munai, especializada na área da saúde Foto: Felipe Locatteli/Munai

Eficiência nos hospitais

Atualmente a Munai trabalha com um algoritmo de predição, baseado em aprendizado de máquina. A solução pode ser oferecida dentro e fora dos hospitais, com casos práticos, como predição de deterioração clínica ou até de resistência bacteriana.

“Com o projeto, fazemos uma ponte com o médico, levando informações diretamente para o profissional. Dentro do hospital, aumentamos a qualidade do atendimento e diminuímos tempo de internação. E, com isso, aumentamos a qualidade para o hospital e paciente”, diz o infectologista Hugo Morales, também cofundador da Munai. “É uma automatização da linha de cuidado do paciente.”

Fundada em 2019, a Munai levantou R$ 10 milhões em 2020 em rodada de investimento semente, dedicada a startups em estágio inicial. Agora, a companhia afirma que está negociando uma extensão desse aporte para ser anunciado no final deste ano, com objetivo de ganhar escala.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.