60 mil brasileiros dizem viver em uma união gay

Sessenta mil brasileiros declararam viver com cônjuge do mesmo sexo no Censo 2010. Foi a primeira vez que o IBGE levantou em todo o País o número de casais gays.

Felipe Werneck, Wilson Tosta e Rejane Lima, O Estado de S.Paulo

30 Abril 2011 | 00h00

O número de 60.002 casais representa 0,16% do total de cônjuges do País. A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais realizou, durante coleta de dados do Censo, uma campanha para que os homossexuais declarassem sua condição.

Em 2007, o instituto incluíra a pergunta em uma contagem parcial realizada em municípios com até 170 mil habitantes. No Censo 2010, a maior concentração absoluta de casais formados por pessoas do mesmo sexo foi verificada na Região Sudeste (32.202).

O presidente do IBGE, Eduardo Nunes, citou o aumento do número de pessoas que se declararam pretas nos últimos levantamentos para explicar o que poderá ocorrer em relação aos casais do mesmo sexo nas próximas pesquisas.

"A declaração da proporção de população preta aumentou bastante, não porque aumentou a fecundidade nesse grupo, mas porque o sentimento de pertencimento cresceu, e a consciência é maior. Quanto maior é a consciência, maior é a resposta afirmativa", declarou Nunes.

"É certo que nos próximos censos esse número tenderá a aumentar, o que não significará dizer que haverá mais casais do mesmo sexo se unindo." Para o presidente do IBGE, o autorreconhecimento é maior à medida em que legislação brasileira se adapta às novas situações, com mudanças no Imposto de Renda, na Previdência Social e em seguros saúde prevendo direitos para casais do mesmo sexo. "Ao se perceber que esse direito é uma conquista de fato, também do ponto de vista social teremos mais informação."

União. Moradores do Guarujá, na Baixada Santista, o administrador financeiro Ronaldo Costa, de 34 anos, e o funcionário público Luiz Eduardo dos Santos, de 39 anos, estão entre o crescente número de casais homossexuais que residem como cônjuges.

"Eu acho que o número é bem maior, porque nós não fomos contados no Censo, e nem outros dois casais de amigos nossos de São Paulo", diz Costa. Ele conheceu seu parceiro há nove anos e em 8 de julho de 2006 assinou a "declaração de união homoafetiva", documento que comprova a existência de união entre duas pessoas do mesmo sexo e garante direitos ao casal, como o reconhecimento de planos de saúde e na declaração como dependente no Imposto de Renda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.