Acionistas da KPN aprovam retirar ações bloquearam oferta da América Móvil

Acionistas do grupo de telecomunicações holandês KPN aprovaram nesta sexta-feira a retirada de ações preferenciais que deram a uma fundação independente o poder de bloquear uma oferta do grupo mexicano América Móvil.

Reuters

10 de janeiro de 2014 | 19h05

Em agosto, a fundação, com o objetivo de proteger os interesses dos investidores da KPN, comprou as ações preferenciais que lhe deram quase 50 por cento das ações com direito a voto da KPN, afirmando que queria que a América Móvil, do bilionário Carlos Slim, fizesse uma oferta justa pelo grupo.

A América Móvil ofereceu 2,40 euros por ação pelo grupo holandês de telecomunicações, e em outubro disse que não aumentaria sua participação na empresa pois não tinha conseguido chegar a um acordo com a KPN.

Depois da retirada das ações preferenciais, esperada para ocorrer em março, a América Móvil voltará a ter cerca de 30 por cento do direito a voto na empresa holandesa.

(Por Robert-Jan Bartunek)

Tudo o que sabemos sobre:
TELECOMKPNAMERICAMOVILCOMPRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.