Agência de espionagem britânica pede mais acesso a redes de Twitter e Facebook

Twitter e Facebook são tão importantes para grupos terroristas que as gigantes de tecnologia devem fornecer aos serviços de segurança mais acesso a suas redes para permitir aos governos evitar ataques, disse o chefe da agência de espionagem britânica.

REUTERS

04 Novembro 2014 | 14h17

O novo diretor da britânica GCHQ, Robert Hannigan, disse que as empresas de tecnologia norte-americanas como Twitter, Facebook e WhatsApp estão se recusando a admitir seu papel não intencional "como rede de comando e controle escolhida por terroristas".

Militantes do Estado Islâmico estão aproveitando o poder da Internet para criar uma rede militante com alcance global vinte e cinco anos depois da criação da World Wide Web, disse Hannigan.

"O desafio para os governantes e suas agências de inteligência é enorme --e só pode ser superado com mais cooperação das companhias de tecnologia", escreveu Hannigan no jornal Financial Times.

(Por Guy Faulconbridge)

Mais conteúdo sobre:
TECH TWITTER FACEBOOK ESPIONAGEM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.