Ator brasileiro é encontrado morto em Portugal

O ator brasileiro Douglas Barcellos, de 33 anos, foi encontrado morto na madrugada de quarta-feira na cidade portuguesa de Cascais (a 12 km a oeste de Lisboa), informou ontem a imprensa de Portugal. A informação foi confirmada pela polícia portuguesa. Segundo o jornal "Correio da Manhã", Barcellos rodava no país o filme norte-americano "The Passionist", em que era um dos protagonistas. Ele foi o único da equipe do filme que não retornou à Califórnia (EUA) no domingo passado. Sua permanência no país teria sido exigência de seu agente, Enzo Lamblet. O jornal português disse que Douglas tinha problemas com seu agente. Conforme relato do jornal, horas antes de seu corpo ser encontrado, Barcellos teria conversado por telefone e enviado um e-mail a um amigo, identificado apenas como Antonio, em que conta que Lamblet teria tentado matá-lo, sem no entanto esclarecer o motivo. O jornal publicou vários trechos de e-mails em que Douglas reclama do agente: ?Ele queria me queimar e tava falando mal de mim para todo mundo do meio, Globo, Hollywood, etc.?, diz uma das mensagens publicadas pelo jornal. Em outra, o ator teria escrito que viu ?a morte de novo?. ?Passei mal e o mano (Lamblet) não me socorreu?, diz. Além disso, o ator teria discutido com um taxista e se recusado a pagar 92 euros cobrados para levá-lo de Lisboa a Cascais, na noite em que morreu. O taxista deu queixa à polícia. O corpo de Barcellos foi encontrado em rochas à beira-mar com marcas no pescoço, que poderiam ser um sinal de que ele foi vítima de agressão. A polícia não revela detalhes das investigações sobre a morte, que correm sob segredo de Justiça. Barcellos era carioca e, vivia em Nova York com sua esposa, e desenvolveu sua carreira nos Estados Unidos a partir de trabalhos na TV. Ele participou da novela americana "The Bold and the Beautiful" e das séries "Mentes Criminosas" e "Head Cases". No cinema, participou do filme "Cinturão Vermelho" (2008), do diretor David Mamet. Barcellos também foi modelo e desfilou na Europa e nos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.