Autorizada quebra de sigilo de atirador de escola no Rio

A Justiça do Rio de Janeiro autorizou hoje a quebra do sigilo eletrônico de Wellington Menezes de Oliveira, que matou 12 adolescentes na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na zona oeste da cidade. O crime aconteceu na última quinta-feira.

PRISCILA TRINDADE, Agência Estado

12 de abril de 2011 | 14h25

O pedido feito pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) pretende esclarecer a participação de outras pessoas no fato de forma direta ou indireta. Por meio da análise de mensagens eletrônicas, a polícia poderá avaliar se o atirador participava de organização religiosa capaz de cometer atos semelhantes ao ocorrido na escola.

Segundo a juíza Alessandra de Araújo Bilac, da 42.ª Vara Criminal, diante da gravidade dos fatos, "há a necessidade de vasculhar os vestígios virtuais junto à empresa Google do Brasil, para conseguir mais informações sobre Wellington, e quaisquer outras pessoas que tenham participado do fato e os motivos que o levaram a cometê-lo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.