Bombeiros e policiais encerram greve no Rio de Janeiro

Bombeiros e policiais civis e militares do Rio de Janeiro decretaram em assembleia na noite desta segunda-feira, a pouco menos de uma semana do carnaval, o fim da greve iniciada na semana passada por melhores salários.

REUTERS

13 de fevereiro de 2012 | 22h46

"Suspendemos o movimento em homenagem aos nossos heróis que estão presos e para ajudar o Rio de Janeiro e o nosso turismo que é muito importante nesse momento", disse à Reuters o presidente do Sindicato dos Policiais Civis, Fernando Bandeira. "Vamos voltar a trabalhar normalmente."

Depois do carnaval, as categorias vão se reunir novamente para discutir em conjunto as reivindicações salariais. Policiais e bombeiros defendem um salário base de 3.500 reais mais benefícios.

A greve declarada no Rio aconteceu após uma paralisação da Polícia Militar baiana desde o dia 31 de janeiro, que fez aumentar fortemente o número de homicídios no Estado. A paralisação na Bahia acabou no sábado.

O movimento grevista no Rio de Janeiro iniciado a partir da madrugada de sexta-feira passada teve pouca adesão e enfrentou uma forte resistência do comando das tropas.

Ao menos 17 líderes do movimento grevista foram presos e outros diversos policiais e guarda-vidas foram acusados de insubordinação e outros crimes.

Durante o fim de semana, um sindicato dos policiais civis já havia abandonado o movimento e uma caminhada de bombeiros pela orla foi suspensa. O esforço das categorias agora é pela libertação dos grevistas que ainda estão presos.

Eles pedem apoio da Defensoria Pública do Estado e da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). "Nosso esforço agora é pela libertação dos nossos companheiros ... (a prisão) foi injusta e arbitrária", declarou.

O cabo Benevonuto Daciolo, um dos líderes do movimento que foi detido após ser flagrado em conversas telefônicas negociando com grevistas da Bahia a difusão do movimento para outros Estados, permanece no complexo de Bangu, onde estão detidos os presos mais perigosos do Rio.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Tudo o que sabemos sobre:
GERALGREVERIOFIM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.