Câmara votará propostas que impactam contas públicas com responsabilidade, diz Alves

A Câmara dos Deputados não será irresponsável em sua análise de propostas que tenham impacto nas contas públicas, afirmou nesta quarta-feira o presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).

REUTERS

29 de outubro de 2014 | 17h38

Anteriormente, Alves já havia manifestado sua intenção de votar matérias que podem aumentar os gastos do governo, caso da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que trata do fim da contribuição dos inativos e outra que aumenta os repasses da União ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM), além de concluir a votação da PEC do Orçamento Impositivo, que obriga o governo a liberar de emendas parlamentares individuais.

“Há demandas da sociedade que chegam aqui e que essa Casa tem o dever de analisar, mas nada que venha a beirar alguma irresponsabilidade”, disse o presidente ao chegar na Câmara.

“Esta Casa tem muito senso de responsabilidade. Vamos conciliar o que é possível votar com a questão de equilíbrio econômico e financeiro do país.”

Alves, que não estará no Congresso a partir de 2015 depois de concorrer ao governo do Rio Grande do Norte na eleição deste ano, relatou ainda conversa com a presidente Dilma Rousseff nesta quarta em que a parabenizou pela reeleição e acertou um encontro entre os dois na próxima semana.

Segundo o presidente da Câmara, a conversa desta quarta foi “cordial”, apesar de na terça-feira o plenário da Câmara ter desferido a primeira derrota a Dilma depois de sua reeleição no domingo, ao suspender os efeitos de decreto do Planalto que criava a Política Nacional de Participação Social.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

Mais conteúdo sobre:
POLITICAHEARESPONSABILIDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.