Cartas

CAVALO DE TROIA

, O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2009 | 00h00

Com a decisão favorável na Comissão de Relações Exteriores do Senado à entrada da Venezuela no Mercosul, o governo ganha e o Brasil perde. Na semana que vem é provável que o plenário também vote a favor, restando só a assinatura do presidente. Marquem o que digo: um verdadeiro cavalo de Troia está chegando. Quando

o abrirem, não reclamem da presença constante do hermano Hugo Chávez tentando influenciar nosso comércio exterior via Mercosul, de molde a ampliar sua radical megalomania antiamericana e terceiro-mundista (vulgo bolivariana). E nós, que já tínhamos problemas "empurrando" o Mercosul, sempre à deriva, agora, com o peso da ingerência chavista, vamos vê-lo naufragar de vez. Não dou um ano para isso acontecer!

Silvano Corrêa scorrea@uol.com.br

São Paulo

O que deveria estar sendo discutido é a falência do Mercosul.

O princípio de um grupo de países para um acordo como esse deveria ser o livre comércio de produtos e trânsito de pessoas entre eles. Centenas de caminhões estão retidos na fronteira Argentina-Brasil, do lado de lá como do lado de cá. É claro que a Venezuela tem interesse em comprar produtos brasileiros, pois pelo menos nas cuecas aqui fabricadas cabem mais dólares que nas produzidas em qualquer outro país.

Ronaldo José Neves de Carvalho rone@roneadm.com.br

São Paulo

GILBERTO "CALÇAB"

Nosso digníssimo alcaide quer aumentar em até 350% o IPTU e ainda criar a Taxa Calçab? O prefeito quer nos fazer ter saudades de dona Martaxa? Parabéns, o Livro dos Recordes o espera.

Renato Otto Ortlepp renatotto@hotmail.com

São Paulo

Vejo que, quando interessa ao prefeito, a discussão sobre as calçadas da cidade é responsabilidade dos donos de imóveis. Quando são invadidas por vendedores ambulantes, os proprietários nada podem fazer e os governantes simplesmente ignoram, deixando que eles se apropriem das calçadas sem tomarem providências. Nem mesmo

se lembram que elas são para uso dos pedestres. O sr. Marcos Belisário deveria introduzir em suas sugestões providências contra esse abuso. Conheço bem a região do Brás e o convido e a outros cadeirantes que tentem andar com suas cadeiras de rodas pelas Ruas Maria Marcolina e Oriente, entre outras, para comprovar a situação (é uma vergonha). O bairro foi tomado pelos ambulantes, com a conivência das agentes da Zona Azul, que não multam seus carros por medo de represálias - os camelôs estacionam carros e carrinhos o dia inteiro nas áreas destinadas ao estacionamento rotativo de veículos. Repito: ninguém resolve nada, num verdadeiro desrespeito aos pedestres e portadores de deficiência. Agora, para criar taxas, nossos governantes são hábeis. Pergunto:

de quem é a competência de proibir o comércio ambulante nas calçadas e na Zona Azul? Os proprietários dos imóveis nada podem fazer (mas são responsáveis pelas calçadas!) e poderão ter de pagar a taxa, que certamente será aprovada. Nessas horas ninguém lembra que as calçadas são direito dos pedestres para ir e vir. Mas, para os ambulantes, isso não importa, pois não serão eles que pagarão as taxas (nenhuma).

Mohamed Abdalla Kilsan kilsanabdalla@terra.com.br

São Paulo

INQUÉRITO DA TAM

O Estado sob censura há 91 dias. Amordaçar quem realmente

ajuda a informar e vigiar é fácil. Quem tem o dever de fiscalizar despreza o reverso, o estado da pista... E como morto não fala, fica fácil concluir sobre a culpa.

Bento de Barros Neto bento@etad.com.br

São Paulo

ASSOMBRAÇÃO

É inacreditável como o MST pode existir para receber elevadas somas de auxílio financeiro e cestas básicas do governo federal e dos países ricos, com o apoio do Incra e as bênçãos da Pastoral da Terra, ala à esquerda da Igreja Católica. Também pode existir para vender as terras recebidas de desapropriações, em vez de cultivá-las, o que por si só mostra que a bandeira de reforma agrária que empunha é de araque. Mas não existe para ser responsabilizado

e processado pelas invasões, que faz há anos, de propriedades rurais produtivas, onde seus adeptos assaltam moradores, matam criação, destroem plantações e pesquisas científicas, inutilizam equipamento, roubam gado, peças de máquinas e motores, etc. Alguns de seus líderes, Rainha e Stédile, por exemplo, já passaram por processos e prisões. Embora ponha em risco o agronegócio

no País, o maior do mundo, o MST virou um movimento fantasma, pois o Ministério Público e membros do governo petista dizem que não pode ser punido porque não é pessoa jurídica e, como tal, não existe. Pergunta-se, portanto: desde quando bandoleiros e delinquentes não são fora da lei?

Maria Cecília Naclério Homem mcecilianh@gmail.com

São Paulo

MINC, O ECONOMISTA

Podemos dispensar os economistas dos Ministérios da Fazenda e do Planejamento e os do Banco Central. O Ministério do Meio Ambiente assumiu a função de conduzir a economia e o desenvolvimento. Carlos Minc, do alto dos seus ilimitados conhecimentos econômicos, decretou que não podemos crescer mais que 4%. Vale tudo para aparecer bem na foto em Copenhague. O Brasil e sua pobreza que se lasquem. Seria de rir se não fosse assunto sério...

Sonia Maria Benfatti Resstel sbresstel@gmail.com

São José do Rio Preto

''Lula disse que os "juros no cheque especial e no cartão são

quase um assalto" (sic). E a carga tributária é o quê?"

Agripino Alberto Domingues centraltalentos@bol.com.br

São Paulo

JUROS ESCORCHANTES

O presidente Lula "inovou" ao considerar os juros do cheque especial e do cartão de crédito "quase um assalto". Dentro da série "nunca antes neste país", agora ele acabou lançando (sem querer) o "nunca antes neste governo". Assim poder-se-ia ler: "Nunca antes neste governo eu prestei atenção a isso." Ora, os juros escorchantes dos bancos e das operadoras de cartão de crédito são mais que um assalto, são um insulto à inteligência de qualquer cidadão. Inúmeras manifestações foram feitas ao longo do tempo, inclusive por mim, sem nenhum eco. Espera-se que, vindas do mais alto dignatário deste país, sejam ouvidas agora. Comparados com a intenção dos constituintes de limitar os juros a 12% ao ano e as multas por atraso a 2% ao mês, esses juros geralmente atingem (ou superam) a casa dos 12% ao mês! Considerando ainda as inúmeras e caríssimas taxas de serviços que os bancos cobram (e foram criadas nos anos recentes) e os elevados índices de spread, chegaremos à explicação dos faraônicos lucros dos bancos brasileiros. Sr. presidente, aproveite a oportunidade para descer do palanque

e tomar iniciativas para que esse "quase assalto" tenha a medida corretiva que merece.

Edison Roberto Morais ermorais@uol.com.br

São Paulo

DOIS PESOS E DUAS "JUSTIÇAS"

Depois que não cassaram Sarney, Renan e muitos outros, agora

resolvem cassar o senador Expedito Júnior, que saiu do PT e foi

para o PSDB, há pouco tempo? Por que será? Compra de votos?

Ah, mais uma da interminável série "me engana que eu gosto"!

Lígia Bittencourt ligialbc@uol.com.br

São Bernardo do Campo

PIADA DO DIA

A nova piada nacional: falta asfalto! Enquanto as estradas de São Paulo parecem de outro país, a população dos demais Estados convive com rodovias da morte. E agora somos informados de que o problema é que não há asfalto para as obras. Quem sabe o governo petista manda os seus gestores para o governador José Serra com um ofício pedindo que o governo de São Paulo dê formação e requalificação em planejamento e gestão de obras viárias.

Valdeir Celestino de Oliveira vcelestinodeoliveira@yahoo.com

Cotia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.