China declara luto por tremor e interrompe trajeto da tocha

Presidente agradece ajuda internacional de US$ 860 mi; governo eleva para mais de 32 mil o saldo de mortos

Da BBC Brasil, BBC

18 de maio de 2008 | 09h05

A China declarou neste domingo três dias de luto em homenagem às milhares de vítimas do terremoto que atingiu o país na segunda-feira passada. Os piores prognósticos se cumprem na China, já que a cifra oficial de mortos subiu para mais de 32 mil e o de feridos para 198 mil, segundo a agência estatal Xinhua, ainda que o governo já tenha admitido que o saldo de vítimas pode ultrapassar 50 mil. Veja também:Premiê Wen afaga vítimas e reforça popularidade  Ouça o relato da jornalista Cláudia Trevisan Mapa da destruição na China Entenda como acontecem os terremotos  Especial: antes de depois da tragédiaVídeo com imagens do terremoto Vídeo com imagens do resgate Na segunda-feira, às 14h28 (horário em que aconteceu o terremoto), serão observados três minutos de silêncio. Além disso, o revezamento da tocha olímpica, que atravessa o país, será suspenso por três dias a partir de segunda. O governo ordenou também a suspensão de todas as atividades recreativas públicas,O presidente da China, Hu Jintao, agradeceu neste domingo pela ajuda internacional que o país tem recebido para enfrentar os estragos provocados pelo terremoto que ocorreu nesta semana. "Eu expresso gratidão de coração aos governos estrangeiros e aos amigos internacionais", disse Hu, segundo a agência estatal de notícias Xinhua.  Segundo as autoridades, a contribuição para as vítimas do terremoto superou a marca de US$ 860 milhões. Mais de 10,6 mil pessoas ainda estão soterradas, segundo autoridades da província de Sichuan, a mais atingida pelo terremoto. As autoridades disseram à agência estatal que os reatores nucleares próximos às áreas afetadas pelo terremoto não correm risco. Sichuan abriga cinco prédios com atividades nucleares nas proximidades do epicentro do terremoto. No sábado, a cidade de Beichuan, a mais atingida, teve de ser esvaziada temporariamente devido a temores de enchente. Os trabalhos de resgate foram interrompidos no sábado, com equipes de segurança fugindo da cidade. Os temores sobre a possível enchente foram descartados e as equipes de resgate já retomaram os trabalhos na cidade. No sábado, o governo chinês divulgou mais números da catástrofe. As equipes de resgate têm dito que as chances de se encontrar sobreviventes estão cada vez menores, pois já se passou quase uma semana desde o terremoto.  Cerca de 4,8 milhões de pessoas estão desabrigadas. Equipes de especialistas estrangeiros - da Coréia do Sul, Cingapura e Rússia -, que começaram a colaborar durante os trabalhos de salvamento, depois que japoneses receberam as primeiras autorizações para entrar no país e integras as equipes. Pequim mostrou receio em aceitar ajuda internacional, mas diante da magnitude do desastre, o governo foi obrigado a aceitar apoio de fora pela primeira vez em uma catástrofe natural. Um avião da Força Aérea espanhol chegou na região mais afetada pelo tremor com sete toneladas de ajuda humanitárias, equipes de emergência e médicas. (Com BBC Brasil e Reuters)

Mais conteúdo sobre:
Chinaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.