Chuva deixará praias impróprias até março em SP

As chuvas fortes que atingiram São Paulo no mês de janeiro prejudicaram a qualidade da água nas praias do Estado. Segundo a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), 79% das praias do litoral sul e da Baixada Santista estão impróprias para banho atualmente. Pela metodologia da Cetesb, 50% das praias de São Paulo permanecerão impróprias até março, quando acaba o verão.A bióloga Débora Orgler de Moura, da Cetesb, diz que o alto índice de praias sujas deve-se ao lançamento maciço de esgoto na costa, o que ocorre durante as tempestades, que arrastam tudo para o mar.A classificação da praia é determinada por uma resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), segundo a qual a praia que apresentar, a cada cinco coletas, duas com mais de 100 bactérias por 100 ml é considerada imprópria. Uma única coleta que aponte mais de 400 bactérias por 100 ml de água também gera a classificação de imprópria.Por esse motivo, muitas praias continuarão impróprias até março. A reportagem do jornal O Estado de S.Paulo apurou que prefeitos pressionam a Cetesb para mudar o método de avaliação das praias.A bióloga Débora não confirma a pressão, mas diz que pessoas ligadas ao setor acreditam que, com medições mais freqüentes, as praias seriam reabilitadas mais rapidamente.?O que não é bem verdade.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.