Colégio é o melhor em redação com 1.ª turma

Criado como cursinho em 2009 e tornado colégio há um ano, o Elite Vale do Aço trabalha com apenas uma turma de cada série do ensino médio e mira Fuvest, Unicamp, ITA e UnB; 27 alunos fizeram o Enem, com média de 830 na redação

PAULO SALDAÑA, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2012 | 02h20

Na cidade mineira de Ipatinga, a 217 km de Belo Horizonte, uma escola recém-inaugurada conseguiu um resultado surpreendente no Enem 2011. A primeira turma do Colégio Elite Vale do Aço, formada no ano passado, conseguiu a melhor nota de redação do País e, na parte objetiva da prova, só ficou atrás do Colégio Objetivo Integrado, de São Paulo.

É possível que, com o cálculo da média entre as duas partes da prova, o colégio do interior de Minas lidere o ranking de melhores escolas, de acordo com o desempenho no exame.

O colégio foi criado por três irmãos, todos ex-alunos do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA). O diretor da escola, Átila Silva Zanone, de apenas 30 anos, é o mais velho. Ontem, ele comemorava a pontuação. "Nosso resultado foi histórico, com a primeira turma. É uma vitória sensacional de nossos alunos."

O Elite de Ipatinga começou como cursinho pré-vestibular em 2009 e o colégio foi inaugurado em 2011. A mensalidade é de R$ 765. A instituição trabalha com apenas uma turma de cada série do ensino médio e não oferece o fundamental.

Em 2011, 27 alunos (90% do total) fizeram o exame. A média da nota de redação da escola ficou em 830 pontos, em uma escala que vai até 1 mil. A segunda melhor colocada nessa parte, o CEV, de Teresina (PI), ficou com 808. Na média das quatro partes objetivas, o Elite teve 718,8, ante 737 do Objetivo Integrado.

Como no cálculo por escola a média da redação tem peso de 50%, a direção da escola mineira acredita ficar em primeiro lugar. "No nosso cálculo, estimamos uma nota média geral de 774", afirma Zanone.

Docentes. O segredo do sucesso está na qualidade do corpo docente. "Temos ótimos professores, com idade entre 25 e 60 anos", diz o coordenador pedagógico, André Ricardo de Castro. A escola oferece no 3.º ano 44 aulas semanais e os alunos são ocupados de segunda a sábado. Há atividades em tempo integral, mas somente em um dia por semana há aulas à tarde.

O foco no Enem é dado apenas nas vésperas da prova, com simulados e exercícios. "Nosso trabalho ao longo do ano é na Fuvest, Unicamp, ITA e UnB. Próximo do Enem a gente faz a revisão", lembra Zanone.

Os três irmãos, que montaram a escola juntos, também dão algumas aulas. Os três ainda arrumam tempo para continuar estudando. O mais novo, Pablo, de 26 anos (formado no ITA em 2009), e o do meio, Jean, de 28, cursam licenciatura a distância em Matemática pela Universidade Federal de Ouro Preto. Átila faz Pedagogia. "Assim, conseguimos conciliar administração, sala de aula e formação", diz.

O plano é oferecer, a partir de 2015, duas turmas por ano de cada série do ensino médio, em vez de apenas uma. Em 2012, a concorrência para a matrícula era de 3 candidatos por vaga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.