Colômbia confirma morte de líder fundador das Farc

Guerrilha não se pronunciou sobre suposta morte de Pedro Antonio Marín, o Tirofijo.

Claudia Jardim, BBC

24 de maio de 2008 | 20h05

O governo da Colômbia divulgou neste sábado uma nota confirmando a morte do líder e fundador das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Pedro Antonio Marín, conhecido como "Tirofijo" (tiro certeiro, em tradução literal).Em entrevista à revista colombiana Semana que chegou às bancas neste sábado, o ministro Juan Manuel Santos afirmara que o líder revolucionário também conhecido como Manuel Marulanda Vélez morreu no dia 26 de março.As informações seriam de uma fonte que, nas palavras do ministro, "nunca falhou". As Farc, no entanto, ainda não se manifestaram oficialmente a respeito."Houve três bombardeios fortes nestas datas em locais em que se pensava estar Tirofijo. A guerrilha diz que ele morreu de parada cardíaca", disse Santos à Semana.Ele destacou, no entanto, que não há provas nem a favor nem contra qualquer das duas versões sobre a morte do líder, que teria cerca de 80 anos.'Inferno'Na entrevista à jornalista María Isabel Rueda, Juan Manuel Santos diz achar que Tirofijo "anda no inferno para onde vão os criminosos quando morrem".No entanto, essa não é a primeira vez que o guerrilheiro é dado por morto. Se a informação for confirmada, a morte do líder mais velho da guerrilha pode significar o mais duro golpe às Farc, que já atravessa um enfraquecimento, tanto pela deserção de milhares de soldados, como pela forte ofensiva militar do governo de Álvaro Uribe. O guerrilheiro fundou as Farc em 1964 e teria morrido dias depois de outros dois importantes integrantes da cúpula do movimento, Raúl Reyes, morto durante um bombardeio e Ivan Ríos, assassinado por seu guarda-costas. De acordo com o jornal El Tiempo, Tirofijo será substituído na cúpula do grupo armado por Guillermo Sáenz, conhecido como 'Alfonso Cano'.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.