DNA descarta que homem seja menino sumido nos EUA há 54 anos

Homem que sempre 'desconfiou de família' levantou hipótese buscando origens na internet.

BBC Brasil, BBC

19 de junho de 2009 | 06h51

Testes de DNA descartaram a hipótese de que um homem do Estado americano de Michigan seja um menino desaparecido em 1955 no Estado de Nova York, disse o FBI, a polícia federal americana.

John Barnes havia dito na quinta-feira que tinha 99% de certeza de que era Steven Damman, um garoto que tinha apenas dois anos quando levado, junto com a irmã, Pamela, num momento de distração da mãe. A garota foi encontrada a alguns quarteirões de distância, mas Steven nunca mais foi visto.

Os testes, porém, comprovaram que John Barnes e Pamela "não compartilham a mesma maternidade".

Na época, o caso mobilizou a polícia, a população e a imprensa. Milhares de voluntários realizaram uma verdadeira "caçada" para tentar encontrar o garoto.

Barnes levantou a possibilidade de ser o garoto desaparecido quando fazia uma pesquisa sobre suas origens na internet. Ele disse que sempre desconfiou das diferenças físicas entre ele e seus pais.

operário chegou à conclusão de que poderia ser Steven Damman ao relacionar informações sobre crianças desaparecidas ao fato de também ter vivido em Long Island na época.

Mas o homem que criou John Barnes insistiu que era, sim, o pai dele. Afirmou que John sempre esteve com a família desde o dia do seu nascimento, na Flórida, em 1955.

"Nós o trouxemos do hospital para casa dois dias depois e nunca o perdemos de vista. Sou sei pai", declarou.

Há alguns anos, a irmã de Steven forneceu amostras de DNA para uma investigação sobre a morte de um menino encontrado dentro de uma caixa de papelão na Filadélfia, em 1957. Mas a conclusão foi de que não se tratava de Steven.

Jerry Damman, o pai de Steven, contou à rede de televisão americana CNN que nunca perdeu as esperanças de encontrar o filho.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.