Documentos retirados de sala de juíza provam ameaças

O advogado contratado pela família da juíza Patrícia Acioli, assassinada na última quinta-feira com 21 tiros no momento em que chegava em sua casa, em Niterói, no Rio de Janeiro, revelou que documentos encontrados no gabinete da magistrada comprovam as ameaças de morte recebidas por ela nos últimos anos. De acordo com o criminalista Técio Lins e Silva, a juíza enviou diversos ofícios ao Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) relatando os riscos que corria.

BRUNO BOGHOSSIAN, PEDRO DANTAS E TIAGO ROGERO, Agência Estado

16 de agosto de 2011 | 19h39

"As autoridades sabiam (das ameaças), a polícia sabia e a divisão de segurança do Tribunal de Justiça sabia. Tudo foi comunicado pela Patrícia ao longo dos anos", afirmou Lins e Silva. Os papéis foram entregues à Divisão de Homicídios, que investiga o crime. A Corregedoria da Polícia Militar informou que a juíza esteve no órgão uma semana antes de ser morta, mas não comentou sobre nenhuma ameaça de morte contra ela.

O advogado cita um depoimento dado pela juíza à corregedoria da PM e um documento com relatos sobre uma ameaça descoberta em uma interceptação telefônica da Polícia Federal. Segundo ele, "há ofícios dramáticos em que Patrícia pede providências" para a garantia de sua segurança. O TJ-RJ alega que a magistrada abriu mão de sua escolta em 2007 e não voltou a pedir proteção.

Investigadores analisaram ontem as imagens das câmeras do Fórum de São Gonçalo, onde Patrícia trabalhava. Dois homens em uma moto teriam feito uma tocaia e esperado o carro da juíza sair da garagem. Ao ver o veículo na saída, eles teriam seguido para a casa da magistrada.No mesmo fórum, a comissão de três juízes criada para assumir provisoriamente os casos sob responsabilidade de Patrícia começou a estudar os processos. Uma audiência marcada para esta semana foi adiada para a semana que vem.

O juiz Fabio Uchoa, que considerou nula a segurança aos juízes, em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo um dia após a morte da juíza, foi escolhido para coordenar a comissão. Ele admitiu contar com uma equipe de segurança. "Minha rotina vai continuar a mesma. Tenho meus mecanismos de segurança, que não ficaram mais rigorosos após o assassinato de Patrícia", disse Uchoa, que se dedicará exclusivamente à 4ª Vara Criminal. Uma comissão do Conselho Nacional de Justiça acompanhará as investigações sobre o assassinato de Patrícia. Em nota, a Anistia Internacional condenou a execução da magistrada e cobrou ações do governo brasileiro contra as milícias e grupos de extermínio.

Tudo o que sabemos sobre:
juízacrimeRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.