Doença de rei tailandês inquieta país

Aos 81 anos, líder influencia mercados

Luciana Alvarez, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

03 de novembro de 2009 | 00h00

O rei da Tailândia, Bhumibol Adulyadej, não tem nenhum poder formal, mas a fragilidade de sua saúde tem abalado o mercado financeiro e aumentado a instabilidade da já tumultuada política de seu país. Três semanas atrás, a Bolsa de Bangcoc teve a maior baixa desde o início da crise financeira por causa de rumores de que ele estaria gravemente doente. A princesa Chulabhorn precisou vir a público garantir que seu pai - que teve alta no dia 23, após mais de um mês de internação - estava "fora de perigo" para acalmar o mercado. Num país que teve quatro premiês em menos de dois anos e passou por um golpe de Estado em 2006, Bhumibol é um raro símbolo de estabilidade. O monarca de 81 anos, que ocupa o trono há 63, sofre de "pneumonia, fadiga e falta de apetite", segundo informações oficiais.

"Sua Majestade é muito importante para a unidade da Tailândia", afirmou ao Estado Helen James, professora de sociologia da Universidade Nacional Australiana. "Por ter um longo reinado e pela veneração que lhe dispensam, muitos temem agitações populares quando seu sucessor assumir."

O trono tem herdeiro certo, o príncipe Maha Vajiralongkorn, único filho homem do rei. O príncipe, porém, não tem a mesma reputação de Bhumibol. Sem a "estatura moral" do pai, especialistas acreditam que a monarquia vai perder sua capacidade extra-oficial de mediação. "A instituição perdeu a maior parte de seu poder com o fim da monarquia absolutista, em 1932, mas Bhumipol se provou um importante mediador entre a população e as elites políticas e militar", disse Joseph Liow, da Universidade Nanyang, em Cingapura.

"A situação está tão polarizada que a política deve transcender a influência da monarquia (quando Bhumipol morrer)", disse Liow. "Além disso, com a saúde do rei em tal estado, os interesses da família real começam tomar direções diferentes."

VIDA PÚBLICA

Bhumibol nasceu em Cambridge, EUA, e assumiu o trono aos 18 anos, após a morte de seu irmão. Passou por 15 golpes, 16 constituições e 27 governos.

Apesar da aparência austera, é um amante do jazz, compõe e toca saxofone. Também adora fotografar e prefere as imagens em preto e branco que, segundo ele, expõem o essencial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.