Espanha condena 47 à prisão por ligação com ETA

Grupos políticos teriam dado apoio financeiro e até ajudado a planejar ataques.

BBC Brasil, BBC

19 de dezembro de 2007 | 15h55

A Justiça espanhola condenou nesta quarta-feira 47 pessoas a penas de prisão que variam entre dois e 20 anos por envolvimento com o grupo separatista basco ETA.Os acusados são membros de uma série de outros grupos que apóiam a independência da região basca.O julgamento durou quatro meses e foi o maior julgamento relacionado ao ETA na história do país.Segundo o correspondente da BBC em Madri, Steve Kingstone, os réus foram condenados por diversos crimes, que variam de financiamento de delito a participação em uma "organização terrorista".Os réus foram investigados durante oito anos e faziam parte de uma rede de grupos sociais e políticos, geralmente com integrantes jovens, que aparentemente ofereciam apoio pacífico ao movimento separatista basco.Mas a juíza Angela Murillo determinou que, na prática, os grupos não eram apenas organizações satélite, mas o que chamou de "coração e entranhas" do ETA.De acordo com Murillo, os grupos levantavam verbas, organizavam episódios de violência de rua e, em alguns casos, planejavam diretamente atentados.Segundo a juíza, um destes grupos operava braços internacionais do ETA em Paris, Bruxelas e na América Latina.Durante o julgamento, os réus ficaram cercados por vidros à prova de balas enquanto as sentenças eram proferidas. Alguns deles cantaram hinos nacionalistas bascos e foram retirados da sala por seguranças.No começo de dezembro, o ETA matou dois policiais que estavam disfarçados, trabalhando na França. Na semana passada, o grupo ameaçou realizar novos ataques.O ETA é responsabilizado por mais de 800 mortes em sua campanha para a criação de um Estado basco, que se estenderia por partes do noroeste da Espanha e do sudoeste da França.Desde o cessar-fogo do ETA, o primeiro-ministro espanhol José Luiz Zapatero adotou uma linha de negociações mais dura contra o grupo.Antes, Zapatero havia sido criticado pela oposição por tentar negociar com o grupo separatista.O primeiro-ministro enfrenta eleições gerais dentro de três meses e a segurança interna deve ser o tema central de sua campanha.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.