Fumaça que cobre Buenos Aires fica mais densa

Autoridades fecham aeroportos e população tem dores de garganta com fumaça de queimadas

Da BBC Brasil, BBC

19 de abril de 2008 | 09h30

A fumaça que cobre a capital argentina, Buenos Aires, ficou mais densa, forçando as autoridades a fechar aeroportos e estradas. A fumaça apareceu há uma semana, causada por incêndios em pastos nos arredores da cidade. Os incêndios estão sendo atribuídos a fazendeiros que tentavam preparar os campos para pastagem. As autoridades prometeram punir os responsáveis pelas chamas, em meio à crescente preocupação com problemas de saúde na região, onde muitas pessoas estão tendo dores de garganta e ardência nos olhos. O ministério da Saúde disse que a fumaça não é tóxica apesar de conter altos níveis de monóxido de carbono. Cheiro de queimado Segundo o correspondente da BBC em Buenos Aires, Daniel Schweimler, os residentes estão sendo orientados a ficar em casa e a manter as janelas fechadas. Mas, mesmo assim, o cheiro de queimado está invadindo casas e escritórios. A população espera que uma mudança na direção do vento traga de volta o "bom ar" que deu nome à cidade. Mas meteorologistas não esperam mudanças nos próximos dias. O aeroporto internacional de Buenos Aires continua operando, mas as autoridades fecharam o aeroporto doméstico, além de portos e várias rodovias, com a visibilidade caindo para apenas alguns metros. Bombeiros tentam controlar as chamas que se espalharam para milhares de hectares, abastecidas pelos pastos extremamente secos. "Os incêndios não são coincidência e não estão se espalhando sozinhos", disse o ministro da Justiça, Aníbal Fernandez. Os fazendeiros da região, no entanto, negam as acusações, dizendo que o governo quer desviar a atenção da disputa sobre os aumentos nos impostos para exportações de produtos agrícolas. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
fumaçaincêndiosfazendeiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.