'Guerra ao terror rende fortuna a farmácia londrina'

Jornal londrino traz história de lojista que guarda pertences barrados pelos americanos.

Da BBC Brasil, BBC

06 Julho 2008 | 10h00

Vizinho da embaixada dos Estados Unidos em Londres, o farmacêutico Alpesh Patel descobriu uma "galinha dos ovos de ouro" há algumas semanas - guardar pertences, cuja entrada foi barrada pelas autoridades americanas.Desde que os Estados Unidos redobraram a segurança no prédio para evitar ataques terroristas, proibindo a permanência de equipamentos eletrônicos no local, Patel estaria faturando cerca de 1 mil libras esterlinas por dia, o equivalente a R$ 3,2 mil com a atividade, de acordo com o jornal britânico The Mail on Sunday deste domingo.O empreendedor disse ao semanário britânico que foi procurado por diplomatas americanos que lhe avisaram da proibição, e passou a cobrar dez libras esterlinas, o equivalente a R$ 32, para guardar chaves eletrônicas, celulares e outros objetos de visitantes da embaixada."Não acho o valor exagerado. Temos muito trabalho. A embaixada manda pessoas para cá quando quer. Nós somos vizinhos e guardamos os pertences em uma área segura, com vigias", disse Patel ao Mail on Sunday.SegurançaEm contrapartida, Patel afirma ter tido que aumentar o expediente em duas horas, já que antes abria às 9h e agora abre às 7h, só para atender aos clientes da embaixada.Até o mês passado, os objetos barrados pelas autoridades americanas podiam ficar com a segurança do prédio, mas isso também foi proibido - por questões de segurança."Por muitos meses, nossos guardas se ofereciam para guardar estes equipamentos na área de revista, enquanto os visitantes entravam para tratar dos seus vistos", disse um porta-voz da embaixada ao jornal londrino."No entanto, ficou claro que isso impedia o desempenho da função primária deles, que é cuidar da segurança do prédio."Diariamente, a embaixada recebe centenas de visitantes, nos dias mais movimentados, segundo o Mail on Sunday, podem ser mais de 700 pessoas.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.