Incêndios devastam florestas e casas no sudeste da Europa

A onda de calor continua matando. Só na Hungria, estimava-se que 500 pessoas tenham morrido em uma semana

KAROLOS GROHMAN, REUTERS

26 Julho 2007 | 09h56

Centenas de bombeiros e soldados combatem mais de 200 incêndios na Grécia, que já mataram duas pessoas e queimaram dezenas de casas, numa consequência da onda de calor que há uma semana assola o sudeste da Europa. Na Bulgária, as autoridades pediram à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), à União Européia (UE) e à Rússia que enviem aviões com água para ajudar no combate a incêndios florestais. A onda de calor continua matando. Só na Hungria, estimava-se que 500 pessoas tenham morrido em uma semana por causas relacionadas à temperatura. Na costa croata, a ameaça a campings e aldeias diminuiu, pois após dias de trabalho os bombeiros agora conseguem controlar a maioria dos cerca de 12 focos de incêndio que persistem. Embora as temperaturas tenham caído um pouco, os fortes ventos alimentam os incêndios na Grécia. O pior deles se espalhou pelo litoral norte do Peloponeso pelo quarto dia. Nas localidades litorâneas de Egio e Akrata, o fogo matou um homem na noite de quarta-feira e uma mulher, presa em sua casa, já na madrugada de quinta. Uma outra mulher está desaparecida desde quarta-feira na região. Dezenas de casas foram destruídas na Grécia desde segunda-feira, e outras aldeias estão ameaçadas, segundo os bombeiros. Vários aviões e helicópteros participam do combate ao fogo. "Trata-se de um incêndio com uma frente de 30-35 quilômetros, é enorme", disse o vice-prefeito de Egio, Panagiotis Gousas, a jornalistas. "Há várias frentes de incêndio e mais casas em perigo." A Defesa Civil regional informou que os helicópteros não podem atuar em parte do incêndio devido à espessa fumaça que prejudica a visibilidade. As autoridades interditaram a principal rodovia que liga Atenas à cidade portuária de Patras, no Peloponeso. Embora essa península do sul da Grécia seja a região mais castigada, o país inteiro enfrenta problemas com incêndios, segundo as autoridades. Recrutas do Exército foram chamados para ajudar. Na segunda-feira, um avião usado no combate às chamas caiu, matando seus dois ocupantes. O país teve seis dias de temperaturas acima dos 40 graus, mas na quinta-feira os termômetros caíram para cerca de 38 graus. Na Bulgária, o fogo devastou mais de 12 mil hectares de florestas desde a semana passada. Pelo menos duas pessoas já morreram no país.

Mais conteúdo sobre:
clima calor aquecimento global europa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.