Globo News/Reprodução
Globo News/Reprodução

Invasão de conjunto habitacional na Vila Curuçá tem depredação de apartamentos

Guarda Civil Metropolitana retira pessoas das unidades que ainda não foram inauguradas em meio a momentos de tensão

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de maio de 2020 | 16h40

SÃO PAULO - A Guarda Civil Metropolitana (GCM) acabou com uma tentativa de invasão em um conjunto habitacional na Vila Curuçá, na zona leste de São Paulo. Cerca de mil pessoas tinham entrado no prédio na noite de sábado, quando renderam os sete seguranças que faziam a vigilância, e estavam no local até este domingo, 3, quando, após um momento de tensão e depredação de algumas unidades, as pessoas acabaram saindo.

Imagens feitas pela Globo News mostraram algumas pessoas com pedaços de pau batendo em janelas e portas de algumas unidades, e no andar térreo de um dos edifícios foi colocado fogo em um colchão, que gerou bastante fumaça. Mesmo após a intervenção da GCM, algumas pessoas ainda estavam dentro de unidades nos andares mais altos. Do lado de fora, a Polícia Militar fez um cordão de isolamento para afastar as pessoas.

Os apartamentos estão praticamente prontos, nos novos edifícios, que eram para terem sido entregues em novembro, mas ainda não tinham sido destinados aos seus moradores. O local é para habitação de pessoas de baixa renda e foi construído sob coordenação da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (Cohab).

Segundo a Prefeitura de São Paulo, houve um pedido para a saída voluntária das pessoas no conjunto habitacional Osório, mas ele não foi atendido e por isso foi preciso utilizar a Guarda Civil Metropolitana com apoio Polícia Militar. "Desde a manhã deste domingo, integrantes da Secretaria Municipal de Habitação e da COHAB-SP ofereceram inscrição em programas habitacionais e, para quem já estava na fila, a atualização dos dados. Os conjuntos habitacionais, divididos em quatro condomínios, vão beneficiar 965 famílias que aguardavam pela casa própria. A Sehab permanece à disposição das famílias invasoras para inscrevê-los nos programas habitacionais", explicou, em nota.

A Prefeitura disse ainda que o "empreendimento está em fase de finalização. As 965 unidades habitacionais foram construídas em área de 10 mil metros quadrados. Para os dias 6 e 7 de maio, estão agendadas as assembleias para instalação dos condomínios. Estão previstas para o período de 13/05 a 5/06 as assinaturas de contratos junto à Caixa com a demanda aprovada das 365 unidades dos condomínios C e D. As 600 restantes (A e B) estão em fase final de regularização das documentações."

A Secretaria da Segurança Pública informou que uma mulher foi detida e é investigada "por ser responsável pela negociação dos imóveis e organizar a invasão". A ocorrência foi registrada no 50.º DP (Itaim Paulista) e é investigada pelo 67.º Distrito Policial (Jardim Robru).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.