Justiça condena fazendeiro por morte de sindicalista

Por maioria de votos, o Tribunal do Júri condenou nesta terça-feira, 29, o fazendeiro Décio José Barroso Nunes, o Delsão, a doze anos de prisão. Ele é acusado de mandar matar, em novembro de 2000, o sindicalista José Dutra da Costa, o Dezinho, na cidade de Rondon do Pará, na região sudeste do estado. O resultado foi comemorado por entidades ligadas aos direitos humanos e à luta pela terra.

CARLOS MENDES, Agência Estado

29 Abril 2014 | 23h08

O réu vai apelar da sentença em liberdade, segundo decisão do juiz Raimundo Flexa, porque é réu primário e possui bons antecedentes.

O depoimento mais contundente, apresentado pelo promotor Franklin Lobato, foi o de Francisco Martins Silva Filho, um ex-empregado do fazendeiro. Irmão do pistoleiro de prenome Pedro, a testemunha afirmou que foi Delsão quem mandou matar o sindicalista, porque Dezinho à época, como presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Rondon do Pará, denunciou que a fazenda do réu era grilada. Além disso, denunciou o fazendeiro pela prática de trabalho escravo.

Mais conteúdo sobre:
julgamento Pará sindicalista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.