Divulgação
Divulgação

Lucro da BRF sobe 46% em 2015 impulsionado por operações internacionais

Maior exportadora de frangos do mundo cresceu em todas as regiões exceto Brasil, onde as vendas caíram 6,3% no 4º trimestre; lucro no ano somou R$ 3,1 bilhões

Marcelle Gutierrez, O Estado de S. Paulo

26 Fevereiro 2016 | 10h28

SÃO PAULO - A BRF divulgou nesta sexta-feira, 26, os resultados do quarto trimestre de 2015, quando registrou um lucro líquido de R$ 1,415 bilhão. O valor representa uma alta de 42,8% na comparação com o mesmo período do ano passado. Com isso, a maior exportadora de carne de frango do mundo terminou o ano com lucro 46% maior do que em 2014, quando somou R$ 3,118 bilhões.    

O Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) cresceu, 21,9% no ano passado, para R$ 5,7 bilhões, e a receita líquida (receita bruta menos as deduções de impostos sobre venda, devoluções e descontos comerciais) totalizou R$ 32,2 bilhões, uma alta de 11% contra 2014.

Ajuda externa. Apesar do ano de incertezas na economia brasileiro, a empresa conseguiu registrar altas. O resultado de 2015 foi impulsionado sobretudo pelo crescimento em todas as regiões exceto o Brasil.

Segundo a companhia, o crescimento foi puxado por um melhor mix de vendas e aumento dos preços médios em reais, com destaque para Oriente Médio e África, América Latina e Europa.

Os volumes no Brasil tiveram contração anual de 6,3% no quarto trimestre, puxados principalmente pelos produtos in natura, cuja queda foi de 8,8%.

Cancelamentos. Nesta sexta-feira, a empresa também divulgou que conselho de administração aprovou o cancelamento de 60 milhões de ações ordinárias atualmente mantidas em tesouraria, sem redução do valor do capital social.

Em função do cancelamento de ações aprovado, o capital social da BRF passará a ser dividido em 812.473.246 ações ordinárias. Uma Assembleia Geral será realizada para consignar a nova quantidade de ações. (Com informações da Reuters)

Mais conteúdo sobre:
BRF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.