Lula defende inclusão de Hamas em processo de paz

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu na segunda-feira a promoção de uma reunião em que todos os lados envolvidos nos conflitos no Oriente Médio, inclusive o Hamas, negociem a paz. Para o presidente, é preciso incluir nas negociações todas as pessoas que tenham ligação com os conflitos. "Nós precisamos detectar quem quer os conflitos e colocar essas pessoas numa mesa de negociação junto com as forças políticas que têm influência tanto na Autoridade Palestina, sobretudo no Hamas, e no povo de Israel para que a gente possa começar uma conversação e encontrar uma fórmula para que eles possam viver em paz e cada um desenvolver o seu país", disse Lula em seu programa semanal de rádio, "Café com o Presidente." Lula lembrou que enviou o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, a um giro no Oriente Médio para demonstrar que o Brasil está "interessado em participar ativamente" de um eventual processo de paz, Apesar de já ter criticado a atuação da Organização das Nações Unidas (ONU), o presidente argumentou que a instituição precisa exercer um papel de destaque. "A decisão do Conselho de Segurança de definir a necessidade de um acordo de paz é importante que seja respeitada tanto pelo lado palestino quanto pelo lado de Israel", disse. O presidente acrescentou que gostaria que árabes e judeus vivessem em paz no Oriente Médio assim como convivem no Brasil. "Precisamos deixar claro o nosso reconhecimento pela existência do Estado de Israel e a nossa disposição de ajudar a construir o Estado palestino", destacou. "O povo palestino merece essa chance." (Reportagem de Fernando Exman; Edição de Alexandre Caverni)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.