Mau cheiro de banheiro e sujeira incomodam na JMJ

O mau cheiro ao redor dos banheiros químicos colocados pela organização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) em Copacabana, onde o papa Francisco reza missa na manhã deste domingo, incomoda os peregrinos. Quem está na fila para usá-los tampa o nariz com blusas ou outros apetrechos. A Avenida Atlântica e o calçadão da praia de Copacabana amanheceram sujos de folhetos religiosos. Garis já chegaram ao bairro e varriam, na manhã deste domingo, a sujeira.

RODRIGO BURGARELL E TIAGO ROGERO, Agência Estado

28 de julho de 2013 | 10h38

Há muitas caixas de papelões dos chamados "kits vigília" espalhadas, assim como embalagens vazias de alimentos e bebidas. A maioria dos fiéis acompanhava de pé o inicio da missa, mas muitos ainda descansavam sobre as lonas montadas por eles para passar a noite.

Entre os peregrinos, a dona de casa Iraí Rodrigues, de 71 anos, acompanhou os jovens da comitiva de Porto Velho (RO) na qual ela veio ao Rio e passou a noite dormindo na calçada em Copacabana, durante a vigília da JMJ. Ela disse ter dormido mal, mas garantiu que valeu a pena. "O pior é o chão duro, porque o colchonete não resolve o problema. Mas eu faria de novo, só para poder ver o papa outra vez."

Mais conteúdo sobre:
JMJpapabanheirossujeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.