Miami vive renascimento imobiliário com empreendedores latinos

O empresário argentino Jose Luis Melo assistiu ao mercado imobiliário de Miami cambalear com a crise imobiliária dos Estados Unidos e a venda de milhares de condomínios da cidade ser interrompida e decidiu que era hora de construir.

KEVIN GRAY, Reuters

10 de março de 2013 | 11h22

Era final de 2010 e Melo, que dirige o Grupo Melo com seus dois filhos, comprou um pedaço de terra de 1,4 milhão dólares perto do centro de Miami. Meses depois, os Melo levantaram o primeiro guindaste de construção na era pós-bolha do mercado imobiliário, apostando que poderiam encontrar compradores de apartamentos de sua torre de 17 andares.

"As pessoas nos disseram 'Vocês são loucos. O mercado está inundado de unidades e vocês vão construir?'", disse ele, acrescentando que prefere vender seu próprio edifício novo. Os 98 apartamentos foram negociados em apenas cinco meses.

Os imóveis foram abocanhados com o dinheiro de latino-americanos ricos que correram para Miami, ajudando a estimular uma recuperação inesperada de um mercado que há apenas três anos era o símbolo da crise imobiliária norte-americana. As negociações destacam o papel dos investidores em algumas grandes cidades dos EUA que mostram fortes sinais de renascimento após a crise.

Latino-americanos há muito tempo investem em imóveis no sul da Flórida, mas desta vez o ressurgimento em Miami está recebendo um impulso extra de empreendedores da América do Sul, como Melo.

Cada vez mais empresários da Argentina, Brasil, México e Venezuela estão agindo para atender à demanda dos latino-americanos que buscam um lugar estável para colocar o seu dinheiro e fazer renda extra através de aluguéis.

Os empreendedores estão capitalizando com a visão de longo prazo dos latino-americanos de que imóveis em Miami são um refúgio seguro contra a volatilidade política e econômica em casa. Desvalorizações da moeda recentes na Argentina, Brasil e Venezuela e os temores de que as moedas desses países possam continuar a se desvalorizar estão impulsionando a compra de bens, dizem corretores.

Um grande aumento nos preços de imóveis na América Latina também tornaram as propriedades de Miami mais atraentes. O aumento da presença de empresários latino-americanos também reflete como o crescimento econômico de sua região lhes deu uma oportunidade sem precedentes de olhar para além de suas próprias fronteiras para construir.

"Antes, nós éramos mais isolados e olhávamos para dentro. Agora nós começamos a pensar mais globalmente", disse Eduardo Constantini, chefe da Consultatio, uma grande companhia imobiliária da Argentina.

Como muitos outros empreendedores, a Consultatio viu uma oportunidade na crise de Miami e se aproveitou de uma queda acentuada nos preços para comprar um de dois terrenos que está agora desenvolvendo.

O grupo pagou 80 milhões de dólares em 2009 por um terreno à beira-mar em Key Biscayne, uma das zonas mais exclusivas de Miami, onde a construção está em andamento. São 154 unidades no condomínio de torres gêmeas com preços que começam em mais de 1 milhões dólares.

A Consultatio comprou outro terreno de frente para o mar no ano passado, por 220 milhões de dólares, no bairro de Miami Beach Tony Bal Harbour, em um dos maiores acordos de venda do sul da Flórida em 2012.

No geral, setor imobiliário dos EUA se beneficiou de um aumento na compra de investidores estrangeiros, que se concentraram fortemente no mercado de Nova York e Miami.

Em um relatório recente da Christie Estate International Real, Miami foi listado como oitavo entre os 10 maiores mercados imobiliários de luxo do mundo, com Londres, Nova York e Riviera Francesa nos três primeiros lugares.

Com compradores latino-americanos e não-americanos agora representando a maioria das vendas de imóveis em Miami, muitos empreendedores têm revelado uma estratégia de financiamento com foco em compradores estrangeiros.

"São os empresários latino-americanos construindo para investidores latino-americanos", disse Peter Zalewski, consultor da Condo Vultures.

Tudo o que sabemos sobre:
CONSTRUCAMIAMIRENASCIMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.