Mortes e infecções por H1N1 se estabilizam no Chile, diz governo

A cifra de mortos pela gripe H1N1 no Chile aumentou para 130 pessoas, dois a mais do que há uma semana, e o número de casos também se manteve quase estável, informou o governo nesta sexta-feira.

REUTERS

28 Agosto 2009 | 12h44

O Chile é o país da América do Sul com maior número de casos confirmados da doença, com 12.194 pessoas infectadas, embora o Ministério da Saúde tenha sustentado que "há uma clara tendência descendente no número de casos" com relação às semanas anteriores.

O país informou na semana passada que detectou a presença da nova gripe em perus, os primeiros casos no mundo em que o vírus não se limita a seres humanos ou porcos.

Na América do Sul, o Brasil, com mais de 500 óbitos, e a Argentina são os países com mais casos fatais da gripe H1N1.

(Reportagem de Antonio de la Jara)

Mais conteúdo sobre:
GRIPECHILEESTAVEL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.