MPE quer tirar carteira de acusada de atropelar

O Ministério Público Estadual (MPE) vai pedir, nesta quinta-feira, que a nutricionista Gabriella Guerrero Pereira - suspeita de atropelar e matar o administrador Vitor Gurman, de 24 anos, em julho de 2011, na zona oeste da capital - entregue sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) à Justiça e deixe de frequentar locais que vendem bebida alcoólica. Para isso, a promotora do 5.º Tribunal do Júri, Mildred de Assis Gonzalez, solicitará medidas restritivas à jovem, de 30 anos.

AE, Agência Estado

21 de março de 2013 | 08h20

Imagens gravadas nos últimos meses pela produção do programa CQC, da TV Bandeirantes, e divulgadas na segunda-feira (18) mostram Gabriella dirigindo, embora sua CNH estivesse vencida desde julho. Na quarta-feira (20), o advogado da nutricionista, José Luís de Oliveira Lima, confirmou que o documento também foi suspenso na sexta-feira (15).

"Fico indignada em saber que essa moça continua dirigindo com uma habilitação que não está regular", disse a promotora. "Vou ver medidas que possam fazer com que a liberdade dela seja restringida, para que sinta um pouco o estrago que fez para uma família inteira", afirmou. Gabriella pode ser intimada ainda hoje. "Vai ser mais rápido do que se fosse no Detran (Departamento Estadual de Trânsito)."

Segundo a promotora, a nutricionista, que na noite do acidente estava com o namorado, terá 48 horas para entregar a CNH à Justiça, no Fórum da Barra Funda, zona oeste. Oliveira Lima disse que recorrerá em caso de intimação. "Ela não foi sequer denunciada e o MPE já quer impor medida restritiva? Não me parece ter nenhum cabimento legal", disse o advogado. Ele acrescentou que sua cliente não está mais dirigindo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
acusadaatropelamentohabilitação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.