Obama busca 'total entendimento' do que aconteceu na Argélia

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ofereceu no sábado toda a assistência que o governo argelino precisar na sequência de um cerco mortal com reféns em uma fábrica de gás no deserto da Argélia e disse que estava à procura de autoridades argelinas para um "entendimento mais completo" do que aconteceu.

Reuters

20 de janeiro de 2013 | 09h35

"Os pensamentos e orações do povo americano estão com as famílias de todos aqueles que foram mortos e feridos no atentado terrorista na Argélia", disse Obama em uma declaração por escrito, o seu primeiro comentário sobre o acontecido.

"A culpa dessa tragédia está com os terroristas que a colocaram em prática, e os Estados Unidos condena a ação deles", disse. "Nós também continuaremos a trabalhar em estreita colaboração com todos os nossos parceiros para combater o terrorismo na região."

"Este ataque é mais um lembrete da ameaça representada pela Al Qaeda e outros grupos extremistas violentos no norte da África", disse Obama. Ele parou de fornecer informações sobre qualquer norte-americano feito refém.

(Por Matt Spetalnick)

Mais conteúdo sobre:
ARGELIAOBAMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.