OMS promete força total se houver contágio da gripe aviária em humanos

A Organização Mundial de Saúde (OMS) aplicará toda sua força quando tiver uma "sólida suspeita" de que o vírus da gripe aviária poderia estar sendo transmitido entre pessoas, disse nesta sexta-feira o diretor do programa da gripe aviária da OMS, Keiji Fukuda."Até o momento, em quase todos os casos humanos, observou-se que o contágio do H5N1 veio claramente de aves. O que mais nos preocupa agora é que comece a transmissão entre pessoas, momento para prepararmos protocolos detalhados de atuação", disse. Diante da possibilidade do contágio do vírus da gripe aviária entre pessoas, a OMS está há meses preparando um manual sobre como conter a expansão do vírus e ganhar tempo para que os países aumentem a capacidade de resposta, e os pesquisadores encontrem uma vacina, que poderia demorar entre 4 e 6 meses, segundo Fukuda.Esse manual inclui medidas como o isolamento total dos doentes e das pessoas que tiveram contato com eles. "Não podemos confiar apenas nos antivirais para lutar contra uma pandemia", especialmente quando "não se têm dados que comprovem sua eficácia", disse o responsável da OMS.Por isso, os analistas também detalham em seu protocolo que os governos devem estar preparados para, quando chegar a hora, evitar grandes concentrações de pessoas através da proibição de congressos ou grandes encontros empresariais, fechar as escolas durante um tempo ou restringir as viagens.Além disso, será criado um grupo de cerca de cem especialistas em diferentes áreas, que dará assessoria aos governos na aplicação das medidas de quarentena e "dispersão social". "É impossível prever em que parte do mundo surgirá o primeiro foco", já que este desafio "deve ser visto com dimensão global", explicou.Sobre os recentes casos de mamíferos infectados, o especialista esclareceu que é o tipo de evolução mais provável do vírus da gripe de origem aviária antes de chegar aos humanos.

Agencia Estado,

10 de março de 2006 | 15h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.