Oposição junta forças para tentar derrotar Chávez

Frentes contrárias a reformas se aliam em torno do 'não' em referendo na Venezuela.

Claudia Jardim, BBC

28 de novembro de 2007 | 19h45

Na reta final da campanha do referendo sobre as mudanças constitucionais na Venezuela, a oposição, que até agora estava dividida, se uniu para tentar garantir a derrota do presidente Hugo Chávez.Nesta quarta-feira, o partido Ação Democrática (AD) - que vinha liderando um dos setores da oposição e até agora pedia a seus partidários que se abstivessem da votação do próximo domingo - mudou de idéia e convocou os militantes a ir às urnas e votar contra as reformas.Com isso, a AD se uniu à frente formada pelos partidos emergentes Primeiro Justiça (centro-direita) e Um Novo Tempo (social-democrata), que vêm fazendo campanha pelo "não" às propostas defendidas pelo governo."A tendência à favor do não e a disposição das pessoas em defender seu triunfo dentro e fora das mesas (de votação) é uma questão que não se discute", afirmou Henry Ramos Allup, dirigente do AD, em uma coletiva em que justificou a decisão do seu partido.As últimas pesquisas de intenção de voto apontam desde um empate técnico a uma possível derrota do governo no referendo.Uma das pesquisas, divulgada pela empresa Hinterlaces, indica que 46% dos eleitores votariam contra a reforma e 45% votariam a favor. Do total de pessoas entrevistadas, 9% ainda estavam indecisas.Outra sondagem, divulgada pelo Instituto Datanalisis, apontava uma vitória do "não" com 44,6% das intenções de voto contra 30,8% dos que votariam pelo "sim", enquanto 11% se disseram indecisos. Analistas e institutos de pesquisa dizem que a divisão da oposição favoreceria o governo no resultado final.Esta é primeira vez que o lado defendido por Chávez não chega às urnas com uma ampla vantagem sobre a oposição - o presidente saiu vitorioso nas nove votações anteriores, entre referendos e eleições normais. Chávez desqualifica as pesquisas e afirma que se trata de um plano de "manipulação" para permitir que a oposição alegue fraude "quando perderem, porque vão perder o referendo", disse. O líder venezuelano tomou à frente da campanha nesta semana, realizando uma média de três atos públicos diários, em uma tentativa de vencer o que considera o principal inimigo do governo: a abstenção chavista. "Que ninguém fique sem votar", repetiu Chávez, nesta quarta-feira, em um ato público. No referendo convocado para aprovar a atual Constituição, em 1999, apenas 44% da população foi às urnas. Nos últimos dias, o presidente venezuelano tem pedido o voto no plebiscito afirmando que "quem vota sim, vota por Chávez, quem vota não, vota contra Chávez e contra a revolução".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.