Os 90 anos de uma diva

Lilia vive história escrita para ela

O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2012 | 03h11

Bibi revive a própria história

Abigail Izquierdo Ferreira é uma daquelas figuras sobre quem se diz, com propriedade, que 'a pessoa é para o que nasce'. Filha do mítico autor Procópio Ferreira (1898-1979), a carioca Abigail - que você certamente conhece pelo pseudônimo Bibi Ferreira - fez sua estreia com menos de um mês de vida, na peça 'Manhãs de Sol', substituindo uma boneca que tinha desaparecido. A estreia profissional viria 19 anos depois, com 'La Locandiera'. E, desde então, construiu uma carreira ininterrupta como atriz, cantora, diretora e compositora. O musical Bibi - Histórias e Canções, que estreia hoje (10) no Teatro Shopping Frei Caneca, entrega o que o título promete: músicas que marcaram esses 71 anos de carreira, além de causos e historietas de bastidores de uma vida literalmente dedicada ao teatro. Uma orquestra de 21 músicos, conduzida por Flávio Mendes, acompanha Bibi em canções de musicais como

'Hello, Dolly', 'My Fair Lady' e 'Gota d'Água'. Não perca a chance de ver uma das verdadeiras divas do teatro brasileiro. Existe maneira melhor de completar 90 anos? Guilherme Conte

Quando Maria do Caritó estreou no Rio, em 2010, marcou a volta da atriz Lilia Cabral aos palcos após um hiato de três anos. Dirigido por João Fonseca (que ganhou o Prêmio Shell pelo trabalho), o espetáculo, que chega hoje (10) a São Paulo, tem texto (escrito especialmente para a atriz) do brilhante dramaturgo Newton Moreno. Maria do Caritó é uma mulher que passa a ser vista como santa após sobreviver ao parto, em que a mãe morreu. Os anos passam, e todo tipo de figuras e fatos extraordinários - e cômicos - acontecem em torno dela e de sua amiga Fininha (Silvia Poggetti). Só que, prestes a chegar aos 50 anos, ela resolve ignorar a promessa do pai (Fernando Neves) e arrumar um marido - despertando, com isso, a revolta do pai e da cidade, chocada com os anseios da 'santa'. O elenco, que se desdobra em vários papeis, conta ainda com Eduardo Reyes (da Cia Os Fofos Encenam) e de Dani Barros, que encerrou recentemente uma temporada na cidade com o monólogo 'Estamira - Beira do Mundo'. 'Maria do Caritó' traz ao palco um pouco do imaginário sertanejo, entre o sagrado e o profano. GC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.