PF prende servidores do Ibama em Roraima

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira a Operação Salmo 96:12 para desarticular complexa organização criminosa responsável pelo aumento de 363% no desmatamento em Roraima entre 2011 e 2012. A polícia identificou o envolvimento de oito servidores do Ibama/RR (incluindo o chefe de fiscalização), três servidores do Incra/RR, seis servidores da Fundação de Meio Ambiente de Roraima, 20 madeireiros, quatro empresários do ramo de consultoria ambiental, um servidor do órgão fundiário estadual, um servidor público municipal e mais de 100 "laranjas".

VENILSON FERREIRA, Agência Estado

23 Maio 2012 | 15h31

O procurador da República Rodrigo Timóteo da Costa e Silva explicou que a organização criminosa estava grilando terras públicas e emitindo autorizações de desmatamento ilegal. "Durante a investigação, identificamos o maior esquema de fraude no sistema DOF da Amazônia Legal. Com a deflagração da operação, esperamos que faça cessar essas irregularidades. Há uma necessidade de maior intervenção do governo federal em fiscalizar o desmatamento na Amazônia, inclusive com a supressão das falhas existentes no sistema DOF administrado pelo Ibama" disse ele.

Segundo a denúncia do Ministério Público, funcionários do Incra e do Iteraima (Instituto de Terras e Colonização de Roraima) estavam realizando de forma ilegal o cadastramento de imóveis rurais no Sistema Nacional de Cadastramento de Imóveis, bem como, expedindo documentos com falsidade ideológica que resultou na grilagem de terras públicas. Em meio às investigações os policiais comprovaram a existência de uma rede de corrupção dentro do Ibama. A comprovação foi possível por conta das interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça Federal e diligências de campo, que gravaram vídeos dos atos de corrupção.

De acordo com cálculos do Ministério Público Federal em Roraima, o levantamento dos prejuízos decorrentes das fraudes apontou que a área autorizada para extração de 1,4 milhão de metros cúbicos de madeira equivale a 56 mil caminhões carregados ao máximo, suficientes para fazer uma fila ininterrupta de São Paulo até Brasília. O levantamento apontou ainda que a área resultante da regularização ("grilagem") é equivalente a 146 mil campos de futebol e a área autorizada para o desmatamento equivale a 21 mil campos de futebol.

Na operação, a Polícia Federal cumpriu 44 mandados de prisão, 11 mandados de condução coercitiva, seis mandados de busca e apreensão, sendo quatro deles em órgão públicos. A Justiça também autorizou 18 afastamentos de funções públicas, 28 indisponibilidades de bens de pessoas físicas, 20 indisponibilidades de bens de pessoas jurídicas, além de suspensão de autorizações de desmatamento. No total, 115 pessoas, entre "laranjas" e familiares, serão indiciadas.

O nome da operação alude ao salmo da Bíblia que diz: "Alegre-se o campo com tudo o que há nele; então se regozijarão todas as árvores do bosque."

Mais conteúdo sobre:
DesmatamentoRoraimaPF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.