Policial de SP terá bônus por superação de meta

O secretário de Segurança do Estado de São Paulo, Fernando Grella Vieira, afirmou que o aumento de 20,8% no número de casos de estupro na capital nos primeiros quatro meses deste ano deve ter como componente um maior número de denúncias e o crescimento do consumo de drogas. Grella afirmou ainda que o bônus que será pago aos policiais do Estado será pela "superação" em suas atividades para atingir metas a serem estimuladas. Ele participou de audiência na Comissão de Segurança Pública na Câmara dos Deputados.

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

28 de maio de 2013 | 15h36

Sobre o crescimento do registro de estupros, o secretário destacou políticas de incentivo para que as mulheres denunciem a violência sofrida. "O fator maior que explica esse aumento de casos são as condições para que as mulheres denunciem, notifiquem mais a violência. Você tem a delegacia da mulher, tem programas, tem incentivos para que isso (denúncia) aconteça, tem meios de proteção, como a Lei Maria da Penha. Tudo isso favorece um ambiente de notificação mais ampla e pode explicar não um aumento real, mas a subnotificação que havia".

O secretário afirmou que o crescimento de consumo de drogas pode também ter relação com a prática dos crimes de estupro. Grella voltou a usar como exemplo o caso de uma mulher violentada na marginal Tietê por um usuário de crack.

Em relação à política de concessão de bônus a policiais por redução de criminalidade, o secretário defendeu a medida como um prêmio por esforço adicional dos profissionais de segurança. "O bônus é um prêmio pela superação. A política salarial é pelo cumprimento do dever, o bônus é uma superação, um esforço do policial", disse. Ele afirmou que ainda não há prazo para o início do sistema, desenvolvido em conjunto com a ONG Sou da Paz. Disse ainda que não acredita em maquiagem nos números pelos agentes de segurança porque haverá acompanhamento da sociedade sobre o tema.

No plano de metas, os policiais serão premiados ao atingirem metas de redução de cinco crimes: latrocínio, homicídio doloso, roubo, furto e roubo de veículos. O secretário afirmou que o porcentual de redução a ser fixado nas metas vai variar de acordo com a região.

Virada Cultural

O secretário afirmou ainda que a violência registrada na Virada Cultural, neste mês, pode ter decorrido do formato adotado para o evento, com a concentração de atividades na zona central da cidade. Ele destacou, porém, que o sistema de segurança está preparado para eventos desse porte e citou como exemplos a Fórmula 1, o réveillon da Paulista e a Parada LGBT, que ocorrerá neste próximo final de semana.

Tudo o que sabemos sobre:
segurançabônusSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.