Político belga comete gafe e troca hino nacional pelo francês

Gafe foi filmada e colocada online; Yves Leterme é cotado para ser primeiro-ministro.

BBC Brasil, BBC

23 Julho 2007 | 18h56

Um político cotado para se tornar o novo primeiro-ministro da Bélgica cometeu uma gafe ao cantar o hino nacional francês quando lhe pediram para cantar o hino de seu país. No sábado, feriado nacional na Bélgica, Yves Leterme, líder do partido Cristão Democrata Flamengo, cantou A Marselhesa em vez do hino belga, La Brabanconne. A gafe foi filmada pelo canal de TV belga RTBF, quando Leterme se preparava para assistir a um culto em uma igreja em Bruxelas, e logo foi colocada no site Youtube.com. As imagens também mostram o político durante o culto, claramente sem conseguir acompanhar outras pessoas que estão cantando o hino. Leterme cometeu um segundo engano quando, ao ser perguntado por um jornalista o que os belgas comemoram no dia 21 de julho, ter respondido que era a "proclamação da Constituição". A data comemora a ascensão ao trono de Leopold 1º, o primeiro rei do país, em 1831. De acordo com uma pesquisa de opinião citada pelo canal RTBF, apenas um em cinco belgas sabe o que se comemora no dia 21 de julho. O partido de Leterme, o Cristão Democrata Flamengo, obteve a maioria das cadeiras no parlamento nas eleições do dia 15 de julho, e o líder foi encarregado pelo rei Alberto 2º de formar um novo governo. Mas as negociações para formação de uma coalizão de governo vem se arrastando sem que se chegue a um acordo entre políticos das comunidades francesa e flamenga do país. A atual coalizão , liderada pelo primeiro-ministro Guy Verhofstadt, está governando em caráter provisório enquanto as negociações continuam. O partido de Leterme cresceu muito nas eleições no mês passado. O político diz que quer aumentar a autonomia de Flandres, a região norte, onde se fala o idioma flamengo (variação do holandês), e a região sul, onde se fala francês. Tradicionalmente, o primeiro-ministro belga vem de um dos partidos flamengos. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.